5 dicas para fazer um transplante capilar de sucesso – GQ

0
20

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.

Transplante capilar (Foto: Getty Images)

O implante capilar é um grande aliado dos homens que sofrem de baixa autoestima por causa da calvície. O procedimento, quando bem indicado, pode ser a solução para este problema. Muitos famosos, como Paulo Vilhena, Diego Hypolito, os sertanejos Marcos e Belutti e o cantor Léo Santana já aderiram técnica.


Diego Hypolito (Foto: reprodução/ instagram)

De acordo com dados Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), o implante capilar é o terceiro procedimento mais procurado pelos homens. A instituição alerta que o procedimento precisa ser realizado por um médico especializado, em um centro cirúrgico, com anestesia local e sedação.

O processo é simples e dificilmente oferece riscos, no entanto, exige alguns cuidados que podem ser determinantes para um bom resultado. Confira cinco dicas para um transplante capilar de sucesso.

Cabelos brancos: os melhores produtos para prevenir ou cuidar

Dossiê do cabelo grisalho: o guia GQ de cuidados para os fios brancos

No Festival de Veneza vimos os melhores cabelos da estação

A escolha do profissional

Antes de fazer um implante capilar, é preciso passar pela avaliação de um profissional especializado capaz de examinar a saúde do couro cabeludo e dos fios, informando as reais chances de o procedimento dar certo. Vale lembrar que, depois de realizar o implante, o paciente não sairá do consultório com os cabelos longos. O resultado começa a aparecer em cerca de três meses. “O cirurgião deve ser totalmente sincero em expor para o paciente as limitações do transplante. Uma vez que o paciente esteja ciente do que é possível ser feito, o mesmo avalia se o procedimento o deixará satisfeito,” explica o especialista em transplante capilar e membro da Sociedade Internacional de Cirurgia de Restauração Capilar, Dr. Thiago Bianco.

O tipo de procedimento

O mercado oferece opções de implantes. Segundo a SBCP, as técnicas mais empregadas atualmente são a FUT (sigla em inglês para Transplante de Unidade Folicular) e a FUE (Extração das Unidades Foliculares).

FUT é a técnica mais convencional, que retira uma faixa do couro cabeludo da área doadora, separa os fios e só então os transplanta para a parte onde há calvície. Esse tipo de método é mais rápido, mas deixa uma cicatriz linear.

Já a FUE é considerada um avanço, pois as unidades foliculares são removidas da área doadora por meio de instrumentos específicos, as unidades capilares individualmente, o que não deixa nenhuma cicatriz linear. Essa técnica permite ao paciente usar o cabelo curto ou até mesmo raspado.

Antes do processo

Depois de optar pela técnica usada, é preciso se preparar. Evitar a ingestão de bebidas alcoólicas e medicamentos como antiinflamatórios, antialérgicos e anticoagulantes, além do uso de cigarro. Também é importante higienizar corretamente o couro cabeludo e os cabelos e manter uma noite de sono de qualidade antes de fazer a cirurgia.

Pós-cirúrgico

Depois de passar pelo transplante capilar, deve-se seguir com afinco as recomendações médicas. O momento depois do procedimento pode ser determinante para o sucesso do implante. É necessário tomar a medicação prescrita a priori e respeitar os horários corretos. Realizar a primeira lavagem dos fios em consultório e com o auxílio de uma profissional. Além de dormir as primeiras noites com a cabeça inclinada, evitar exercícios físicos ou a prática de qualquer esporte durante cinco dias. E durante três semanas evitar esportes de grande impacto físico. É importante também, não retirar aquelas casquinhas de cicatrização.

Durante a cicatrização

Ao sair ao ar livre, cuidado com a exposição solar prolongada. Durante o pós-operatório, vale a pena investir no uso do boné e filtro solar a partir do segundo dia depois do procedimento. Também é preciso se atentar a temperatura da água do banho. O ideal é a temperatura morna. A água quente estimula o aparecimento de caspas e dermatite seborreica ou excesso de oleosidade. Ela piora esses sintomas, e maltrata o couro cabeludo.

Gostou da nossa matéria? Clique aqui para assinar a nossa newsletter e receba mais conteúdos.



Fonte



Outros sites desenvolvidos pela Lima & Santana Propaganda


Lima & Santana Propaganda