Após tratamento, gavião que ficou preso em cerca de arame farpado é devolvido à natureza; vídeo | Santos e Região

    0
    17

    Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

    .

    Um gavião carcará que há mais de dois meses foi encontrado preso em uma cerca de arame farpado em Santos, no litoral de São Paulo, foi devolvido à natureza na segunda-feira (9). A ave foi diagnosticada com uma doença chamada trichomonas e passou por tratamento no Centro de Pesquisa e Triagem de Animais Silvestres (Ceptas) de Cubatão (SP).

    A soltura foi realizada por uma equipe do Ceptas com apoio do pelotão ambiental da Guarda Civil Municipal (GCM) de São Vicente. O animal foi levado a uma área do Parque Estadual Serra do Mar – Núcleo Itutinga Pilões, nos limites de São Vicente.

    Segundo o veterinário Lucas Porto, responsável pelo Ceptas, o gavião é macho, jovem, e foi encontrado em uma residência no bairro José Menino, em Santos, em 11 de julho.

    “Ele estava preso em uma cerca de arame farpado e o morador fez contato com a Polícia Militar Ambiental, que encaminhou o animal para o Ceptas”, diz o veterinário. Ele afirma que o animal estava abaixo do peso e apresentava lesões que sugeriam que estivesse com trichomonas.

    “Ele apresentava lesão sugestiva a trichomonas, doença onde o hospedeiro é o pombo. O carcará, ao se alimentar do pombo e outras aves, acaba pegando esse protozoário que acaba gerando lesões em toda a cavidade oral, esôfago e pode até ir para o sistema nervoso. Elas começam a gerar deformidades anatômicas. Ele passou por tratamento clínico, até conseguir evoluir totalmente da lesão”.

    Após apresentar melhoras, o animal passou por fisioterapia de voo. “É um animal muito novo, então eu tive que ensinar a procurar alimento, ensinar a voar, fazer todo o trabalho de falcoaria”, finaliza.

    Animal passou por tratamento por quase dois meses até ser devolvido à natureza — Foto: Divulgação/Pelotão Ambiental da GCM de São Vicente

    Animal passou por tratamento por quase dois meses até ser devolvido à natureza — Foto: Divulgação/Pelotão Ambiental da GCM de São Vicente



    Fonte



    Outros sites desenvolvidos pela Lima & Santana Propaganda


    Lima & Santana Propaganda