Como serão os restaurantes em 2030?

0
20

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.

Imaginar o futuro é algo inerente ao ser humano, refletido em livros, filmes, séries, jogos e cultura pop, seja ele utópico ou distópico. Tomorrowland (2015), De Volta Para o Futuro (1985), Blade Runner 2049 (2017), Os Jetsons (1962) e muitos outros, brincaram com nossos costumes de consumo e relações, para o melhor e para o pior. Mas o que podemos prever, de fato?

Pesquisas já preveem o cenário da alimentação para próxima década.

São Paulo 2030: 12,2 milhões de habilitantes, sendo 20% com mais de 60 anos e uma idade média beirando aos 40 anos. A capital dos negócios da América Latina está desacelerando o número de novos paulistanos, mas continua em crescimento econômico, atingindo o PIB de US$ 753 bilhões, maior que importantes cidades mundiais como Paris e São Francisco. Em típico dinamismo, os paulistanos, em todos momentos, dividem as suas decisões entre aplicativos: sair para consumir a cidade ou pedir tudo em casa e esperar por um drone entregar.

As previsões são do Departamento de Assuntos Económicos e Sociais da ONU e da Oxford Economics, da Universidade de Oxford; unindo com algumas apostas da National Restaurant Association, que prevê restaurantes cada vez mais conectados com a tecnologia e serviços de entrega robotizados e otimizados, via drone. Segundo pesquisas e tendências apontadas por diversos profissionais do setor, 2030 revela uma relação robotizada-humanizada nos serviços de alimentação, onde robôs substituirão os trabalhos braçais e a mente humana será responsável, cada vez mais, por um serviço personalizado, sustentável e acolhedor.

Você tem fome de quê?

O velho problema da fome no Brasil também assombra 2030. De acordo com a ONU (Organização das Ações Unidas), em 2019 a fome na América Latina e no Caribe afetou 47,7 milhões de pessoas. Para 2030, a expectativa são de aproximados 67 milhões de pessoas.

Você deve estar achando estranho iniciar as tendências com esse fato, afinal, qual seria o papel dos restaurantes nesse triste cenário? Felizmente caminhamos para um mundo com consumidores mais conscientes, querendo saber, com transparência, quais são as ações das empresas nos assuntos relacionados a responsabilidade social – e os restaurantes não ficam fora disso. A média global de desperdício no setor é de 10% de tudo o que produz e somando com outros desperdícios: agrícola, transportes, domésticos e outros, temos um volume de 1,3 bilhão de toneladas anuais jogados no lixo, os dados são da FAO (Food and Agriculture Organization). Esse número seria o suficiente para atender cerca de 800 milhões de pessoas em situações de fome.

Os chefs, cozinheiros, nutricionistas e nutrólogos ganharam fama e espaço na opinião dos consumidores e ajudam a ditar tendências para novos hábitos na alimentação, assim como defesa de valores: humanos, sustentáveis e sociais. Os restaurantes já estão começando a entender a sua responsabilidade nessa cadeia. Em 2030, é provável que tenhamos cozinhas mais conscientes, menos desperdícios e engajadas com causas sociais.

Tecnologia: seremos atendidos por robôs?

Devolvo a pergunta: você gostaria de ser atendido por um robô? Eu não! As cozinhas tecnológicas chamadas recentemente de 4.0, referenciando para a quarta revolução, marcada pela convergência de tecnologias digitais, físicas e biológicas, já estão acontecendo. Daqui a 10 anos, acredita-se em maior presença de robôs nas tarefas repetitivas e mecânicas, permitindo que a equipe do restaurante se concentre mais na criatividade, hospitalidade e qualidade da comida.

Autoatendimento e auxílio de robôs será uma realidade constante, mas a experiência de consumo e diferencial será o contato humano, com emoção! Afinal, não há indícios de que os robôs consigam substituir esse sentimento.

Mais sustentáveis

Projetos sustentáveis e ecológicos será mandatório para o sucesso de um negócio. Por quatro motivos principais: a responsabilidade dos restaurantes com o meio ambiente, os custos, a cobrança dos clientes e as futuras medidas impostas pelos governos para redução dos impactos no ambiente.

Menos embalagens, reciclagem e energia sustentável, também farão parte, mais significativamente, da gestão dos restaurantes.

Reserve um espaço para bike e pets em seu restaurante

Hoje quase a metade das residências em São Paulo possuem cães ou gatos e a metade dos pets no Brasil estão concentrados na região Sudeste, um índice que aumenta consideravelmente a cada ano. Menos filhos e mais pets. Por isso, áreas para pets em restaurantes devem se tornar muito mais frequentes nos próximos anos.

Sobre transporte, a Kantar projeta um crescimento de 47% para o uso de bicicletas em São Paulo. Além de fugirmos do trânsito, as bicicletas não são poluentes e promovem atividade física. Confira os dados:

• Transporte público: + 10%
• Caminhada: + 25%
• Bicicleta: + 47%
• Carro: -28%

Que tal acelerarmos esse movimento?

Personalização

Na entrada do restaurante: “Olá Diego, bem-vindo! A sua mesa favorita já está pronta, assim como já reservamos o seu vinho. Você irá repetir o spaghetti alla carbonara da última vez?”. Recursos de tecnologia de CRM (em português: Gestão de Relacionamento com o Cliente) já são uma realidade por muitas empresas, mas ainda pouco explorada pelos restaurantes. A cena anterior é uma raridade, mesmo em restaurantes estrelados em São Paulo.

Com mais acesso e proximidade com a tecnologia, os restaurantes nos próximos anos mudarão a maneira de comunicação com os seus clientes, utilizando dados das últimas visitas para aumentar a sensação de personalização e venda mais assertiva. Assistentes virtuais como Siri (Apple) e Alexa (Amazon) também farão parte do atendimento com interatividade a todo momento.

Mais compartilhamento

Uma aposta, inclusive durante a retomada dos restaurantes após pandemia do novo coronavírus, são os espaços compartilhados. Muitas empresas deixaram os seus espaços físicos e substituíram para o homeoffice, mas para certas reuniões ainda preferem encontros presenciais e é nesse momento que entram os restaurantes! Nada mais eficaz do que fechar negócio a uma boa mesa. Experimente!

Mesas compartilhadas e pessoas indo comer sozinhas. Lembram que há alguns anos, alguém comendo sozinho era visto como ‘solitário’? Essa percepção vem mudando, afinal não precisamos fazer um evento toda vez que saímos para comer.

Artesanal x industrial

Os próximos anos reservam uma valorização para um simples sem ser simplório. O artesanal não sairá de moda e o consumidor pedirá, constantemente, um ‘atestado’ de origem daquele alimento. O nome de quem produz valerá mais à mesa do que a sua marca. Em paralelo, a indústria continuará buscando meios tecnológicos para produzir produtos em larga escala, com responsabilidade ambiental e social, para sobreviverem no mercado.

É provável que existam critérios estipulados pelo governo para proibição de produtos consideráveis não saudáveis, assim como a sua promoção.

O clássico ‘bife com batata frita’ como opção para crianças em restaurantes sumirá do cardápio e dará espaço para comidas mais saudáveis.

Consumo local

Menos opões de pratos no cardápio e produtos mais frescos. A utilização de produtos locais acelerou e tende a ser mais valorizado no futuro. Dentre as inúmeras vantagens, destacam-se algumas delas, como o transporte, uma vez que estão mais próximos, menos poluentes são gerados e possivelmente, menos desperdícios de produtos. Além disso, consumir produtos locais aquece a economia da região, gera mais empregos e preserva a cultura e hábitos.

Pensando em São Paulo, temos a produção de pescados o litoral da cidade, que ainda é pouco explorado pelos restaurantes. Prova disso é o baixo consumo de peixes locais x o alto consumo de espécies como salmão.

Os pratos clássicos do futuro

Prever sobre hábitos alimentares é uma tarefa um tanto complicada, sempre lembro da futurista e agora antiga gastronomia molecular, que estourou na televisão e fazia filas no restaurante El Bulli, na Espanha, do precursor e respeitado Chef Ferran Adrià. Ele impressionava a todos utilizando nitrogênio líquido, fazendo esféricos que estouravam na boca e geravam várias sensações jamais sentidas. O movimento se espalhou pelo mundo e chegou no Brasil, tinha tudo para se solidificar, mas logo virou ‘fumaça’! A moda não pegou.

As previsões para 2030 são um mix de todas as mudanças de comportamentos que citamos. Os alimentos caminham para o ‘menos é mais’ e os paulistanos, em seu comum ritmo acelerado, buscarão conforto nos restaurantes, remetendo à comida caseira. Um comportamento já observado hoje. Além disso, sem dúvidas, o vegetal será um dos maiores protagonistas do prato e será comum ver profissionais de dietas assinando cardápios.



Fonte



Outros sites desenvolvidos pela Lima & Santana Propaganda


Lima & Santana Propaganda