Conheça diferentes formas para aumentar o bumbum

0
20

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.
Foto: Divulgação
Em ambos os métodos, o paciente deve permanecer de barriga para baixo nas primeiras 48 horas. 

Ter o bumbum grande e empinado é o sonho de muitas mulheres. Recentemente a ex-BBB Munik Nunes passou por um procedimento para aumentar o tamanho do local, usando a própria gordura. Diferente do implante de silicone nos glúteos, o enxerto de gordura dá um efeito mais natural e reduz riscos de complicações. De acordo com o cirurgião plástico Filipe Canal, a procura pelos procedimentos para essa parte do corpo, em seu consultório, é consideravelmente grande.

“Em nosso país as mulheres costumam dar muita atenção para os membros inferiores, principalmente os glúteos. Muitas não conseguem ter um resultado satisfatório na academia e recorrem à cirurgia plástica para chegar ao resultado desejado”, explica.

Para isso, existem dois tipos de procedimentos: a gluteoplastia com enxerto de gordura da própria paciente e o implante de silicone no local. Na primeira técnica, o material utilizado é de outra região que passou por um procedimento, como a lipoaspiração na barriga. O especialista explica que, nesse caso, a gordura retirada do local e que, em seguida, será introduzida no bumbum é de fácil absorção, uma vez que foi utilizado material extraído do próprio paciente.

“O corpo absorve certo volume de gordura que foi inserido e elimina o que entende como desnecessário. Em média, 30% de gordura será eliminada nesse processo e, por isso, colocamos sempre a mais durante a cirurgia. No entanto, é preciso que o paciente tenha esse material suficiente para doação, como foi o caso da Munik Nunes, que fez o procedimento após uma lipoaspiração”, afirma o especialista.

Já na gluteoplastia com implantes de silicones, a prótese é colocada intramuscular, podendo ser redonda ou oval. Além de servir para quem está insatisfeito com o tamanho ou forma do bumbum, a alternativa é muito indicada para pacientes que tiveram algum acidente ou problema de saúde que comprometeu a região e quer recuperá-la.

O cirurgião plástico explica que, em ambos os métodos escolhidos, o paciente deve permanecer de barriga para baixo nas primeiras 48 horas, além de usar uma cinta modeladora. Somente após esse prazo é permitido virar de lado. “Esses cuidados são importantes para uma boa cicatrização e recuperação. O resultado final pode ser visto em seis meses”, finaliza Filipe Canal.



Fonte



Outros sites desenvolvidos pela Lima & Santana Propaganda


Lima & Santana Propaganda