Moradores de Congonhas (MG) ficam sem água após sedimentos de mineração atingirem nascente | Jornal Nacional

    0
    70

    Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

    .

    Depois de uma chuva forte no fim de semana, rejeitos de mineração foram parar em uma das fontes de abastecimento de água na cidade mineira de Congonhas.

    Na casa de Jurandir, a água está saindo turva da torneira. O estoque de uma distribuidora de água mineral do bairro Pires, em Congonhas, acabou.

    “A gente vende aqui em média de 40 a 50 galões, mas como teve esse problema da água nós chegamos a vender até 50 galões por dia”, diz o comerciante Sebastião Alves.

    Segundo a Defesa Civil de Minas Gerais, a água nas casas está suja depois que um temporal provocou, na última sexta-feira (20), a descida de materiais da barragem do Josino, da empresa Ferro + Mineração S.A. A enxurrada atingiu a nascente de um rio que abastece a região.

    Um vídeo mostra que a água com os sedimentos de mineração desceu pela BR-040, que fica a poucos metros da barragem.

    A Agência Nacional de Mineração chegou a declarar, neste domingo (22), que houve transbordamento, mas, nesta segunda (23), depois que técnicos fizeram uma vistoria no local, afirmou que, na realidade, o que ocorreu foi um extravasamento.

    O transbordamento ocorre quando a água da chuva passa por cima da barragem, levando junto sedimentos de mineração. Já no extravasamento, como aconteceu na barragem do Josino, a água que está na estrutura escoa por um dispositivo chamado “extravasor”, que é um duto que tem a capacidade de liberar água rapidamente e ele falhou.

    A Agência Nacional de Mineração afirmou que a declaração de estabilidade da barragem está em vigor e que a vistoria não encontrou problemas na estrutura. A preocupação das autoridades agora é com as mais de duas mil pessoas da região que estão com o abastecimento de água interrompido.

    A barragem tem um volume de 16,6 mil metros cúbicos de sedimentos de mineração e nove metros de altura. A Prefeitura de Congonhas vai avaliar a extensão do dano provocado pelo vazamento.

    “Alguns danos podem ser identificados como origem aqui, nesse evento que aconteceu nessa barragem de contenção de sedimentos. Mas outros danos podem não ter acontecido por origem na mineração. Então nós precisamos avaliar isso muito bem para que a gente possa verificar se há necessidade de fazer alguma autuação. Certamente, se houver necessidade, a secretaria vai fazer isso”, disse o secretário de Meio Ambiente, Neylor Aarão.

    A companhia de abastecimento de água de Minas Gerais informou que a água ainda não está liberada para o consumo, que a mineradora Ferro + ainda está realizando a limpeza de canais de água e das caixas da população e que está abastecendo um bairro de Congonhas com caminhões-pipa e galões.

    A mineradora Ferro + declarou que segue rigorosamente a legislação ambiental e que todos os rejeitos gerados no processo produtivo são empilhados a seco.



    Fonte



    Outros sites desenvolvidos pela Lima & Santana Propaganda


    Lima & Santana Propaganda