Moradores de Guarujá reclamam de multas excessivas em rodovia que corta bairro da cidade | Santos e Região

    0
    33

    Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

    .

    Moradores do bairro Perequê, em Guarujá, no litoral de São Paulo, reclamam de multas excessivas e com valores altos que estão recebendo com frequência ao passarem por uma rodovia estadual que corta a cidade. Eles criaram um grupo no WhatsApp, que já conta com mais de 100 pessoas que relatam estarem passando pela mesma situação. A Polícia Rodoviária nega o excesso de autuações de trânsito.

    Em entrevista ao G1 nesta terça-feira (28), o recepcionista Affonso Maffei, de 27 anos, explicou que o acesso para o bairro Perequê passa por um trecho da Rodovia Ariovaldo de Almeida Viana, que é de responsabilidade do Estado de São Paulo.

    Segundo o recepcionista, na estrada houve um reforço de policiamento com a temporada de verão. “Nos últimos dois meses passamos a receber muitas multas. Eu levei quatro em menos de um mês e tem pessoas no grupo que levaram mais. Isso nos fez achar que havia algo estranho na situação. E o pior é que as multas não param e são sempre em valores altos”, relata.

    De acordo com Affonso, as multas são em torno de R$ 1.500 cada. Os motoristas, na maioria das vezes, são autuados por ultrapassagem pela direita. “É muito caro, ainda mais para nós que somos trabalhadores ganhando um salário mínimo. Imagina ter que pagar três vezes esse valor”, destaca.

    Segundo moradores, multas estão sendo aplicadas na Rodovia Ariovaldo de Almeida Viana — Foto: Arquivo pessoal/Camila Fontes

    Segundo moradores, multas estão sendo aplicadas na Rodovia Ariovaldo de Almeida Viana — Foto: Arquivo pessoal/Camila Fontes

    A situação também tem preocupado a autônoma Camila Fontes dos Santos Bezerra Aragão, de 30 anos. Ela relata que mora no bairro há 10 anos e isso nunca havia acontecido. Conforme explica, não foram cometidas infrações que justifiquem as multas aplicadas. “Nós do bairro passamos a perceber que as multas estavam sendo aplicadas de forma aleatória. Meu marido faz o percurso de moto há 5 anos para o trabalho e isso não acontecia”, diz.

    Só entre dezembro de 2019 e janeiro de 2020, Camila relata que ela e o companheiro já levaram quatro multas. “Em conjunto vimos que os moradores da região estavam criando um grupo. Muitos conhecidos tomaram seis, oito e até 15 multas. Todo mundo levava multa de ultrapassagem, que é o valor mais alto que tem, das mais gravíssimas. Ficamos assustados com a situação”, conta.

    De acordo com ela, os moradores estão buscando uma solução para o problema. Muitos não têm dinheiro para pagar as multas que, de acordo com eles, estão sendo aplicadas erroneamente. A população ainda afirma que as infrações são registradas pelos próprios policiais, mas sem ser realizada nenhuma abordagem ou orientação.

    “Achamos isso injusto, já que nunca aconteceu. São multas que simplesmente somos contemplados, aleatoriamente. Precisamos de solução para o nosso problema. Teve um rapaz que levou multa por estar sem capacete e ele é super cuidadoso, jamais pegaria uma rodovia sem a proteção. Algo precisa ser feito”, relata.

    Moradores do bairro Perequê criaram um grupo que já tem mais de 100 pessoas reclamando do excesso de multas — Foto: Arquivo pessoal/Camila FontesMoradores do bairro Perequê criaram um grupo que já tem mais de 100 pessoas reclamando do excesso de multas — Foto: Arquivo pessoal/Camila Fontes

    Moradores do bairro Perequê criaram um grupo que já tem mais de 100 pessoas reclamando do excesso de multas — Foto: Arquivo pessoal/Camila Fontes

    Em nota, a Polícia Militar Rodoviária nega que haja um excesso de multas sendo aplicadas na região. A corporação ainda destaca que o Policiamento Rodoviário por meio de um planejamento próprio dedica atenção especial as infrações com maior potencial de vitimização de pessoas.

    A companhia ainda afirma que a rodovia em questão possui pista simples com grande movimento de moradores locais em áreas que são de características urbanas, o que pode provocar uma sensação de rotina e falta de atenção dos motoristas que dela se utilizam e que nessa época de verão ocorrem muitos acidentes que poderiam ser evitados, principalmente envolvendo motocicletas, ultrapassagens indevidas e condutores sob efeito de álcool.

    Confira a nota na íntegra

    A Rodovia Ariovaldo de Almeida Viana (SP-061), que faz a ligação através de balsa entre os municípios de Bertioga e Guarujá, faz parte da malha viária do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e, portanto, de responsabilidade do policiamento rodoviário, através da 5ª Companhia do 1º Batalhão de Polícia Rodoviária.

    No tocante as fiscalizações de trânsito, a Organização das Nações Unidas (ONU) preocupada com o número de vítimas provenientes de acidentes de trânsito em todo o mundo instituiu a Década Ações pela Segurança no Trânsito 2011 a 2020 e, em razão disso, o Policiamento Rodoviário por meio de um planejamento próprio dedica atenção especial as infrações com maior potencial de vitimização de pessoas, sendo elas: o não uso do cinto de segurança e dispositivos de retenção para crianças, excesso de velocidade, condutores sob efeito de álcool, motocicletas e seus condutores, ultrapassagem em local proibido e uso do celular enquanto dirige.

    A rodovia em questão possui pista simples com grande movimento de moradores locais em áreas que são de características urbanas, o que pode provocar uma sensação de rotina e falta de atenção dos motoristas que dela se utilizam; como o período de verão traz àquela via muitos motoristas que não conhecem seu traçado, extensão e características únicas, uma vez que ela apresenta diversos pontos de proibição de ultrapassagem e limite de velocidade reduzido, ocorrem muitos acidentes que poderiam ser evitados, principalmente envolvendo motocicletas, ultrapassagens indevidas e condutores sob efeito de álcool, à exemplo do fatídico acidente na Praia do Perequê em outubro de 2017, quando avó e neta perderam suas vidas após serem atropeladas por condutor sob efeito de álcool.

    Os números de acidentes, comparando o verão de 17/18 com 18/19 tiveram um salto de 100%, de 6 para 12, aumentando de 6 para 13 o número de vítimas.

    No que tange ao quesito “índices criminais”, a evolução do verão 17/18 para 18/19 demonstrou um aumento de 26 para 39 (aumento de 50%) ocorrências registradas na SP-061, o que, somado ao aumento da acidentalidade, ensejou uma resposta especial no planejamento da presente Operação Verão Mais Seguro (19/20), mantendo uma viatura diariamente naquele trecho da rodovia a qual desenvolveu em conjunto com o policiamento de área operações diárias nos pontos de maior índice criminal do último verão, bem como, reforçando com uma segunda equipe aos finais de semana, especificamente para Operação Direção Segura (ODS) onde são fiscalizados condutores sob efeito de álcool na direção veicular.

    Os resultados apresentados na operação até esta sexta-feira (24), contabilizou apenas 13 ocorrências de natureza criminal registradas, 5 acidentes e 4 vítimas, demonstrando que o aumento da fiscalização e da presença do policiamento rodoviário diminuíram os indicadores criminais, bem como os de acidentalidade de trânsito.

    Houve um aumento de 406% no número de condutores flagrados dirigindo sob efeito de álcool, passando de 30 (em 17/18 e 18/19) para 152, resultado de uma maior fiscalização, porém, indício que nossos condutores ainda insistem nessa prática perigosa.

    Com relação a queixa da população local, na manhã dessa quinta-feira (23) foram recebidos em nossa base, uma comissão formada pelo Secretário de Governo, Sr. Luís Claudio Venâncio Alves, o Vereador José Francinaldo Ferreira de Vasconcelos (Naldo do Perequê) e um representante do bairro Sr. José Ricardo, ocasião em que foram apresentadas as demandas do bairro, as reclamações no que tange à quantidade de autuações recebidas e demais dúvidas.

    Um ponto relatado na reclamação que gerou dúvidas nos moradores foi o da autuação sem que ocorra a abordagem imediata e identificação do condutor; tal prática está embasada no artigo 280, § 3º do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e permite ao agente de fiscalização de trânsito anotar os dados do veículo infrator e elaborar a autuação sem que seja necessário parar o veículo; tal fato ocorre normalmente quando não é viável abordá-lo sem comprometer a segurança dos envolvidos, condições climáticas (chuva), dentre outras.

    Nos colocamos a disposição para eventuais dúvidas e questionamentos na sede de nossa subunidade.



    Fonte



    Outros sites desenvolvidos pela Lima & Santana Propaganda


    Lima & Santana Propaganda