Verão agrava quadro de pessoas com transtornos alimentares, alerta especialista

0
94

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.

A pseudo necessidade de expor um corpo perfeito causa sofrimento entre os que tem transtorno alimentar. Foto: Pixabay

O Verão é uma estação que remete à alegria, em função das festas, praia, calor e sol. Todas essas programações, porém, levam a uma exposição mais acentuada do corpo, o que, para muitas pessoas, pode desencadear um sofrimento, em função de uma pseudo necessidade de se ter um “corpo perfeito”, em especial para portadores de algum tipo de distúrbio alimentar.

Os transtornos alimentares (TAs) podem ter relação com a imposição de padrões de beleza, embora estas pressões sociais não sejam a causa dessas patologias, que são multifatoriais.

“Se a pessoa está muito acima ou abaixo do peso ideal para uma vida saudável, apresenta constante insatisfação com sua autoimagem e acumula prejuízos em sua vida social, é preciso buscar ajuda profissional. Os transtornos alimentares têm tratamento”

Camila Coutinho, psiquiatra.

A médica aponta que abordagem no tratamento deve ser multidisciplinar, respeitando a singularidade do sujeito, envolvendo acompanhamento psicológico, psiquiátrico e nutricional, podendo contar com o acompanhamento de um fisioterapeuta e profissional de educação física.

Para ser considerado um transtorno, o comportamento alimentar incomum precisa durar um certo período, causando prejuízo à saúde física e à capacidade de desempenhar funções no trabalho ou escola, afetando negativamente as relações sociais.

A psiquiatra explica que os transtornos alimentares englobam fatores neurobiológicos, socioculturais, psicológicos e familiares. A influência social para manter-se magro, seguindo padrões estéticos, a baixa autoestima, entre outros, são aspectos que contribuem para desencadear o problema.

“Quem sofre dessas patologias não consegue fazer escolhas livres em relação à sua alimentação ou ao seu corpo, e acaba sendo refém dos medos e obsessões que dominam sua vida”, explica a psiquiatra Camila Coutinho.

TIPOS DE TRANSTORNOS ALIMENTARES

Bulimia: é um impulso que leva a pessoa a comer, mas, ao se saciar, ela fica enjoada, arrependida, e tem a sensação de perda de controle sobre si mesma, se sente culpada e deprimida. O paciente pode tentar compensar isso provocando vômitos, tomando purgativos, diuréticos e outros.

Anorexia Nervosa: é a perda de apetite por fatores psíquicos. Uma das características principais é a alteração da autoimagem da pessoa. Por mais magra que ela esteja, ela se sente muito acima do peso e por isso tenta emagrecer cada vez mais;

Compulsão alimentar: a pessoa busca uma gratificação cada vez maior através da comida, então ela sente a necessidade de comer, mesmo quando não está com fome e sem se preocupar com a qualidade do alimento;

Ortorexia: são pessoas que possuem um comportamento de preocupação excessiva com alimentação saudável. Normalmente, quem sofre desse transtorno pode passar horas pensando no assunto, e a preocupação pode se entender à alimentação de amigos e familiares;

Vigorexia: caracterizada por uma insatisfação com o corpo, que leva à prática exaustiva de exercícios físicos e de uma alimentação voltada exclusivamente para essa finalidade.

 



Fonte



Outros sites desenvolvidos pela Lima & Santana Propaganda


Lima & Santana Propaganda