Ambesp Central de Santos tem atraso em obras e amanhece com reclamações | Mais Saúde

    0
    210

    Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

    .

    O Ambulatório de Especialidades (Ambesp) da Região Central Histórica de Santos, no litoral de São Paulo, amanheceu com pacientes insatisfeitos e muitas reclamações. A unidade deveria retomar totalmente seus serviços nesta segunda-feira (16), mas o atraso na reforma do local impediu que a previsão da Prefeitura fosse cumprida.

    O Ambesp, que funciona em um imóvel localizado na Avenida Conselheiro Nébias, 199, no bairro Paquetá, foi fechado no dia 30 de agosto para intervenções emergenciais, como troca do forro de isopor, limpeza dos aparelhos de ar-condicionado, instalação de pontos de rede e impressoras, limpeza e higienização geral.

    Segundo apurado pelo G1, o local reabriu parcialmente na última quarta-feira (11), mas não foi possível terminar a obra por conta das chuvas que atingiram a cidade. Por isso, nem todos os serviços e consultórios estão funcionando nesta segunda, o que fez com que os pacientes fossem encaminhamos para outra unidade de saúde. A farmácia para retirada de medicamentos, por exemplo, ainda não retornou para a unidade.

    A população ainda aproveitou para reclamar sobre o agendamento de consultas, que deve ser feito por meio do 0800. Eles chegaram a dizer que o serviço é uma ‘piada’. Essa mesma reclamação foi feita pelos pacientes da Ambesp do Complexo Hospitalar da Zona Noroeste. Eles garantem que o 0800 não funciona e a fila para marcar consulta com especialistas vem piorando a cada dia.

    Sobre a demora de atendimento no 0800, a Chefe do Departamento de Regulação em Saúde da Prefeitura de Santos, Ariana Gameiro, confirma que realmente existe esse problema e que estão trabalhando para resolver o mais rápido possível. Ela aproveita para relembrar que, antigamente, os moradores esperavam horas na porta dos dois Ambulatórios para pegar uma senha e agendar consultas, situação que foi modificada com a criação da Central de Agendamento.

    “Em maio de 2017 criamos a Central. Um ano depois instituímos o 0800 e hoje fazemos cerca de 19 mil agendamentos no ativo e mais 7 mil no reativo. A gente consegue, de fato, efetuar esses agendamentos. Mas, estamos com uma gama de ligações muito grande e hoje temos 10 profissionais na Central recebendo as ligações por meio do 0800. Desta forma, entendemos que precisamos de um serviço maior do que temos e abrimos uma licitação”.

    Ariana afirma que já há uma empresa ganhadora e que essa mudança promete resolver a situação, uma vez que o número de agendamentos irá dobrar em relação ao que está sendo feito hoje. Porém, ainda segundo ela, o contrato deve ser assinado apenas em cerca de 30 ou 40 dias. Questionada sobre o que os pacientes devem fazer até lá, Ariana garante que o número de profissionais que atendem na Central de Agendamento já foi ampliado, para que seja possível aumentar o número de agendamento de consultas nesse período.

    Sobre a questão da reforma do Ambesp Central, que não foi finalizada dentro do prazo oferecido pela Prefeitura de Santos, o chefe do Departamento de Atenção Especializada da Secretaria Municipal de Saúde, Devanir Paz, explica que no início das intervenções a cidade foi atingida por vários dias de chuva, o que atrasou as obras do telhado e, consequentemente, a solução dos outros problemas da unidade.

    “Semana passada tivemos uma vistoria e agora conseguimos terminar nesta semana o que falta. A parte do telhado já está pronta e o forro deve ser finalizado na quarta. Nos dias seguintes vamos pintar e terminar o que falta. A previsão é que todos os serviços já estejam funcionando na próxima segunda-feira (23)”.

    Quanto aos pacientes que chegaram ao local e não sabiam da mudança das consultas, Paz explica que tentaram contato com todos para avisar da alteração, mas muitas vezes alguns não atendem ou trocaram os números de telefone. “Mesmo assim, conseguimos resolver na hora e remanejamos esses pacientes para a Ambesp da Zona Noroeste e para o Serfis”.



    Fonte