Anatomia e Fisiologia do Esôfago

0
35

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.
Anatomia e Fisiologia do Esôfago 
ANATOMIA 
O esôfago é um órgão tubulomuscular que mede 
de 23 a 25 cm de comprimento, com início próximo à 
cartilagem cricoide, ao nível de C6, e término em 
T11. 
Seus limites superiores e inferiores são a faringe e 
o estômago, respectivamente. 
O ponto de referência utilizado para medir a 
distância de lesões esofágicas é a 
Arcada Dentária Superior (ADS), e não o início do 
órgão. Desse modo, a medida obtida por 
endoscópio em adultos demonstra que a transição 
esofagogástrica está a cerca de 40 cm dos dentes 
incisivos. 
Os pontos anatômicos críticos de estreitamento do 
esôfago são: 
 musculo cricofaríngeo, 
 constrição broncoaórtica 
 junção esofagogástrica. 
A parede esofágica apresenta 4 camadas: 
 mucosa, 
 submucosa, 
 muscular 
 adventícia, sem a existência de camada 
serosa. 
O American Joint Committee on Cancer (AJCC) 
divide o esôfago em 4 áreas: 
 cervical, 
 torácica, 
 torácica inferior/junção esofagogástrica 
 abdominal. 
A passagem do esôfago para o abdome ocorre 
por meio do hiato esofágico, formado 
predominantemente pelo pilar diafragmático 
direito. 
O Esfíncter Esofágico Inferior (EEI) 
caracteriza-se por um espessamento 
assimétrico de musculatura lisa 
circular, tonicamente contraída para 
superar a pressão intragástrica em 
condições fisiológicas. 
Anatomia e Fisiologia do Esôfago 
VASCULARIZAÇÃO 
→ Arterial: 
Esôfago Superior 
Ramos das artérias 
tireoidianas superior e 
inferior; 
Esôfago Médio 
Ramos das artérias 
brônquicas e artérias 
intercostais direitas e 
aorta descendente; 
Esôfago Distal 
Ramos da gástrica 
esquerda, frênica 
inferior esquerda e 
esplênica. 
→ Venosa: 
Terço Superior Drenagem para a cava 
superior através das 
veias tireóideas 
inferiores; 
Terço Médio Drenagem para a cava 
superior através dos 
sintomas ázigos e 
hemiázigos; 
Terço Inferior Drenagem para o 
sistema porta através 
da veia gástrica 
esquerda e das veias 
gástricas curtas. 
→ Drenagem Linfática: 
A drenagem linfática do esôfago ocorre de acordo 
com a localização: 
1. Esôfago superior: drenagem para os linfonodos 
cervicais profundos; 
2. Esôfago médio: drenagem para os linfonodos 
mediastinais e traqueobrônquicos; 
3. Esôfago inferior: drenagem para os linfonodos 
celíacos e gástricos. 
→ Inervação: 
Parassimpático 
(Nervo Vago) 
Eferente 
(Peristalse) 
Núcleo 
ambíguo: 
músculo 
esquelético; 
Núcleo dorsal 
motor: 
musculatura 
lisa; 
Parassimpático 
(Nervo Vago) 
Aferente 
Núcleo do 
trato solitário 
(SNC): núcleo 
ambíguo e 
núcleo dorsal 
motor do 
vago; 
Simpáticos 
Torácicos 
Aferente SNC 
Anatomia e Fisiologia do Esôfago 
FISIOLOGIA 
A função do esôfago é o transporte do material 
deglutido da boca para o estômago. A deglutição 
compreende 3 fases: 
 voluntária, 
 faríngea 
 esofágica. 
As 2 últimas são inteiramente reflexas e 
deflagradas pela estimulação de receptores 
localizados na orofaringe e nas áreas adjacentes. 
Fatores 
↑ do Tônus 
↓ do Tônus 
↑ da frequência dos 
relaxamentos 
transitórios 
↓ da frequência 
dos relaxamentos 
transitórios 
Hormonal 
1. Gastrina 
2. Motilina 
(mediador de 
contrações) 
3. Prostaglandina – 
F2 – alfa 
4. Bombesina 
1. Secretina 
2. Colecistocinina 
3. Glucagon 
4. Progesterona 
5. Estrogênio 
6. Prostaglandina 
E1, E2 e A1 
7. Peptídeo 
inibidor gástrico 
8. Peptídeo 
intestinal 
vasoativo 
9. Serotonina 
Colecistocinina 
Serotonina 
Alimentos Refeição proteica Refeição gordurosa Gorduras alimentares 
Mecânico Cirurgia antirreflexo Hérnia de hiato 
Fatores que alteram o tônus do esfíncter esofágico inferior



Fonte