APG 14 Sistema Linfático – Sistema Linfatico

0
39

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.
APG- 14 
-Estudar a anatomofisiologia do 
sistema linfático nos membros 
superiores. 
- Compreender o mecanismo da 
drenagem linfática. 
Anatomofisiologia do Sistema Linfático 
O sistema linfático consiste em um 
líquido chamado linfa, em vasos 
chamados vasos linfáticos que 
transportam a linfa, em diversas 
estruturas e órgãos que contêm tecido 
linfático (linfócitos dentro de um tecido 
de filtragem), e em medula óssea. 
Funções: 
 Drenar o excesso de líquido 
intersticial: Os vasos linfáticos 
drenam o excesso de líquido 
intersticial dos espaços teciduais e 
o devolvem ao sangue. Esta 
função se conecta com o sistema 
circulatório. E sem esta função 
não seria possível a manutenção 
do volume de sangue circulante. 
 Transportar lipídios oriundos da 
dieta: Os vasos linfáticos 
transportam lipídios e vitaminas 
lipossolúveis (A, D, E e K) 
absorvidas pelo sistema 
digestório. 
 Desempenhas respostas imunes: 
O tecido linfático inicia respostas 
altamente específicas dirigidas 
contra microrganismos ou células 
anormais específicos. 
Vasos linfáticos 
Começam como capilares linfáticos, estes 
estão localizados nos espaços entre as 
células. Os capilares se unem para formar 
vasos linfáticos maiores. Ao longo dos 
vasos linfáticos, a linfa flui por linfonodos, 
que são órgãos que apresentam células de 
defesa, como linfócito B e T. 
Células endoteliais formam a parede do 
capilar linfático, se abrem para que a linfa 
entre e não permitem o refluxo. 
Os tecidos que não apresentam capilares 
linfáticos incluem os tecidos avasculares 
(como a cartilagem, a epiderme e a 
córnea do olho), a parte central do 
sistema nervoso, partes do baço e a 
medula óssea. 
Troncos linfáticos 
São a união dos vasos linfáticos, a linfa 
que passa por esses troncos vai ser 
redirecionada para dois canais principais, 
o ducto torácico e o ducto linfático 
direito, que iram drenar a linfa de volta ao 
sangue venoso. 
- Ducto torácico: é o principal ducto para 
o retorno da linfa ao sangue, pois drena a 
maior parte do corpo. Recebe a linfa do 
lado esquerdo da cabeça, do pescoço, do 
tórax, do membro superior esquerdo e de 
todo o corpo abaixo das costelas. 
- Ducto linfático esquerdo: Recebe a linfa 
do membro superior direito e do tórax 
direito. 
Formação e fluxo da linfa (Circulação 
Linfática) 
- Os vasos linfáticos contêm válvulas que 
asseguram a circulação linfática 
unidirecional. 
Sistema Linfático 
- Duas “bombas” que ajudam no retorno 
venoso do sangue ao coração mantem o 
fluxo de linfa: 
1) Bomba de músculo esquelético: as 
contrações do musculo esquelético 
comprime os vasos linfáticos e força a 
linfa em direção ao sangue venoso. 
2) Bomba respiratória: O fluxo de linfa é 
também mantido pelas alterações de 
pressão que ocorrem durante a 
inspiração. A linfa flui da região 
abdominal, onde a pressão é maior, para 
a região torácica, onde ela é mais baixa. 
 Circulação linfática: 
1- O plasma sanguíneo é filtrado pelas 
paredes dos capilares sanguíneos para os 
espaços intersticiais, e assim vai se tonar o 
liquido intersticial. 
2- Depois os capilares linfáticos absorvem 
o liquido intersticial, e agora vai se tornar 
linfa, essa linfa entra para os vasos 
linfáticos. 
Obs: A diferença entre o liquido 
intersticial e a linfa é sua localização: o 
liquido intersticial está entre as células e a 
linfa está nos capilares linfáticos e vasos 
linfáticos. 
3- Dentro dos vasos linfáticos a linfa passa 
por “barreiras de inspeção”, que vão 
detectar se essa linfa possui substancias 
estranhas, essas barreiras são os 
linfonodos, que dentro deles possuem 
células de defesa, como os linfócitos, que 
vão fazer essa inspeção, vão filtrar a linfa. 
Se tiver algum agente estranho os 
linfócitos vão “capturar” e desencadear 
uma resposta imunológica. A linfa flui 
por vários linfonodos em seu trajeto pelos 
vasos linfáticos, ela vai passar por vários 
eventos de filtragem antes de retornar ao 
sangue. 
** Os nódulos são um inchaço dos 
linfonodos, que são causados através de 
uma resposta imunológica. 
** Os Edemas ocorrem por conta de um 
acumulo de liquido intersticial que está 
parado, que não foi drenado para os 
vasos linfáticos. 
Órgãos Linfáticos 
Medula óssea: além de produzir células 
do sangue como hemácias e plaquetas, 
também produz células chamadas de 
linfócitos, como os linfócitos B (que são 
tipos de leucócitos e são as principais 
células do nosso sistema linfático). 
Timo: localizado atrás do esterno e se 
estende até a glândula tireoide. Os 
leucócitos que são produzidos na medula 
óssea vão para o timo e se tornam 
linfócitos T. Depois de sair do timo vão 
para o sangue, para a linfa ou para os 
linfonodos. 
Baço: localizado na região superior 
esquerda do abdômen, que tem papel 
importante no controle, armazenamento 
e destruição de células sanguíneas. 
Transformam linfócitos B em 
plasmócitos (células da produção de 
anticorpos). 
Mecanismo da Drenagem linfática 
Ocorre da periferia dos membros para 
cima. 
A drenagem linfática manual é uma 
técnica de massagem composta por 
manobras suaves, lentas, monótonas e 
rítmicas, feita com as mãos, que 
obedecem ao trajeto do sistema linfático 
superficial e que tem por objetivos a 
redução de edemas e linfedemas. 
Efeito que a drenagem exerce sobre o 
organismo 
- EFEITO DRENANTE: Vai realizar a 
drenagem de líquidos intersticiais que 
estão acumulados, para que volte a 
circulação, por meio de certos 
movimentos contendo diferentes 
pressões. Tratando edemas.



Fonte