Após surto de Covid, empresas suspendem cruzeiros no Brasil até 21 de janeiro | Jornal Nacional

    0
    21

    Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

    .

    Os passageiros do navio Costa Fascinosa começaram a chegar na manhã desta segunda-feira (3) no Porto de Santos. Só no meio da tarde, a empresa responsável pelo cruzeiro comunicou a suspensão nas operações.

    “Quando eu cheguei no saguão, eu estava indo despachar minha bagagem. Aí o rapaz do estacionamento que avisou: ‘Olha, é melhor você se informar, porque não tão nem despachando a bagagem’”, conta a advogada Marinês Alonso.

    “A gente fica triste, mas ao mesmo tempo a gente também entende, né? Porque vai que a gente faz um passeio desse e pega esse coronavírus”, diz a estudante Josiane dos Santos.

    A Associação Brasileira de Navios de Cruzeiros anunciou a suspensão voluntária imediata das operações nos portos do Brasil até o dia 21 de janeiro e declarou que, durante a pausa, vai atuar em nome das empresas MSC Cruzeiros e Costa Cruzeiros para buscar alinhamento com as autoridades do governo federal, Anvisa, estados e municípios em relação às interpretações e aplicações dos protocolos operacionais de saúde e segurança que haviam sido aprovados no início da atual temporada de cruzeiros, em novembro.

    A associação diz que, nas últimas semanas, as duas companhias experimentaram uma série de situações que impactaram diretamente as operações nos navios, tornando a continuidade dos cruzeiros neste momento impraticável.

    A decisão de paralisar as viagens veio depois que a Anvisa recomendou ao Ministério da Saúde a suspensão provisória da temporada de navios de cruzeiros por causa do aumento repentino de casos de Covid nas embarcações.

    Antes de autorizar os cruzeiros, a Anvisa determinou que só poderiam embarcar hóspedes e tripulantes com a vacinação completa contra a Covid. Eles também deveriam apresentar um teste do tipo PCR com até três dias de antecedência ou antígeno feito um dia antes da viagem. E as empresas teriam que testar pelo menos 10% dos passageiros e tripulantes durante cruzeiro. Mesmo com esses protocolos, a Anvisa comprovou a transmissão comunitária do coronavírus dentro das embarcações.

    “Os casos confirmados ficaram isolados, nós estamos negativos em dois testes, não tínhamos nada. Mas também tivemos que ficar retidos, digamos assim”, relembra a administradora de empresas Marilene Aparecida Gonçalves.

    A empresa MSC declarou que ofereceu o reembolso total aos passageiros ou uma carta de crédito no valor do cruzeiro original e mais um crédito para o próximo cruzeiro.

    A Costa Crociere informou que vai fornecer apoio logístico aos passageiros e que vai encaminhar para casa, em transporte particular, os que tiverem teste positivo de Covid.



    Fonte