“Batia na minha cara” – Jornal Floripa

0
151

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.

Uma mulher que ficou internada duas semanas no Hospital de Base do Distrito Federal denunciou ter sido agredida por funcionárias da unidade de saúde na madrugada desta segunda-feira (30/8). Segundo Lays Natália Alves, 34 anos, ao passar por uma crise de ansiedade, ela foi puxada pelo cabelo, pelos braços e pelas pernas.

Conforme conta a paciente, foi realizada uma cirurgia no tendão de Aquiles dela durante a tarde de domingo (29) e, na mesa de cirurgia, começou a se sentir mal. Depois do procedimento, chegou a pedir para que tivesse um acompanhante com ela, o que foi negado. “Com ar de deboche, a enfermeira disse que não poderia liberar, pois eu era ‘maiorzinha’ e conseguia me cuidar”, conta.

Durante a madrugada, uma nova crise ocorreu. Lays começou a se sentir sufocada, e as colegas de quarto passaram a gritar por ajuda. Uma enfermeira apareceu, mas não fez nada. Com a insistência, a funcionária retornou e deu um remédio. “Tomei, mas vomitei, pois estava vomitando muito. Aí, ela disse que tinha me dado a medicação, mas, se eu não quis, o problema era meu”.

Ainda passando mal, a paciente ouviu da enfermeira que deveria aguardar o médico ou que ela mesma fosse atrás de um. “Por causa da cirurgia que eu fiz, não posso andar. Eu desci da cama, sentei num lençol e fui me arrastando nos corredores do Hospital de Base até conseguir entrar no elevador”, revela.

Um enfermeiro tentou acalmar Lays, mas a chefe de enfermaria apareceu durante a conversa e começou a puxá-la de volta para o quarto. “Começou a puxar pelos cabelos, tentava me pegar e batia muito na minha cara. Depois, começou a pegar pela perna, e eu comecei a gritar de dor, pois eu tinha acabado de fazer a cirurgia, mas só me largou quando acertei com a minha outra perna o pescoço dela”, lembra.

A técnica que tinha maltratado a paciente anteriormente reapareceu e ameaçou pegar no local da cirurgia para apertar. “Ela olhava para mim, ria e falava que não estava puxando até largar meu pé de uma altura de um meio metro e bater com tudo no chão”, detalha.

Veja imagens das agressões:

0

Lays tentou, então, descer pelas escadas, mas a chefe da enfermagem voltou dizendo que a amarraria pelo pescoço. “Ficou um movimento como se fosse de forca, a outra tentou me pegar pela perna, mas eu disse que ia buscar meus direitos. Foi aí que apareceu um vigilante, e um enfermeiro me levou de volta”.

Ela recebeu alta nesta segunda-feira e foi à direção do Hospital de Base registrar a reclamação. Fez a mesma coisa na Ouvidoria e informou ao Metrópoles que registraria uma ocorrência na 5ª DP.

O que diz o Iges-DF

Procurado, o Instituto de Gestão Estratégica do DF (Iges-DF), responsável pela direção do Hospital de Base, não havia enviado um posicionamento sobre o caso até a publicação da reportagem.

O post Paciente denuncia agressão de enfermeiras do Hospital de Base : “Batia na minha cara” apareceu primeiro em Metrópoles.



Fonte