Brasileiro é preso após agredir grávida e provocar aborto em NJ –

0
109

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.
Joanisson de Souza, de 31 anos, é acusado de violência doméstica, agressão com agravantes, uso ilegal de arma, resultando no nascimento prematuro e morte do feto

Joanisson de Souza, de 31 anos, morador em Newark (NJ), estava escondido no Spring Lane Motel, em Elizabeth (NJ)

Na terça-feira (31), policiais prenderam Joanisson de Souza, de 31 anos, morador em Newark (NJ), acusado de ter agredido uma mulher grávida, fazendo com que ela entrasse em trabalho de parto e perdesse o bebê. O incidente ocorreu na manhã de segunda-feira (30) e o brasileiro é acusado de violência doméstica, agressão com agravantes, uso ilegal de arma, resultando no nascimento prematuro e morte do feto.

As autoridades de segurança foram contatadas pelo Hospital Universitário (UMDNJ) depois que uma mulher grávida procurou atendimento médico, detalhou a polícia. Ela deu à luz prematuramente e a criança faleceu.

Souza estava foragido, mas foi encontrado escondido num motel na cidade vizinha de Elizabeth (NJ), o Spring Lane Motel. Ele não enfrenta a acusação de homicídio porque, diferente de 38 estados, New Jersey não possui lei para homicídio fetal.

O Deputado Estadual Ronald Dancer (R-Ocean) apresentou diversas vezes o projeto de lei A-2855 que considera matar um feto em determinados casos equivalente a homicídio, assassinato e morte envolvendo veículos. O “Proposed Motherhood Violence Act” isentaria abortos ou morte decorrentes de procedimentos médicos, mas sim mortes resultantes de danos físicos sérios sofridos pela mãe.

. Mais um caso de violência doméstica:

Em final de julho de 2019, Emerson Jaques Figueiredo, de 42 anos, natural de Governador Valadares (MG), foi acusado de ter matado a facadas a esposa, Nathalia da Paixão, de 35 anos, natural da mesma cidade. O crime ocorreu na residência do casal, um conjunto de prédios em Concord (NH). O incidente ocorreu na tarde de domingo (28) e abalou a comunidade local. As informações são do canal de TV local CBS e do jornal Concord Monitor.

Através de um comunicado, o Procurador Geral de Justiça Gordon McDonald detalhou que a polícia foi acionada no condomínio, através do serviço de emergências (911), por diversas pessoas. A vítima foi encontrada ferida e inconsciente do lado de fora do apartamento. A polícia recebeu várias ligações através do 911 denunciando um tumulto no Edgewood Heights Condo Associates em Branch Turnpike. Do lado de fora do condomínio, os agentes encontraram Nathalia esfaqueada, informaram as autoridades. Ela foi levada imediatamente ao Concord Hospital, onde faleceu logo após de ter dado entrada.

Na ocasião, Figueiredo foi preso e acusado de homicídio em 2º grau, sem direito à fiança. Vizinhos teriam ouvido o casal discutindo na casa onde eles moravam e visto Emerson esfaqueando e chutando a vítima.

Uma das testemunhas relatou que Emerson esfaqueou Nathália diversas vezes em frente aos filhos do casal, uma menina de 13 anos e um menino de 10 anos. O motivo teria sido o ciúme doentio da esposa, especialmente depois que ela pôs próteses de silicone nos seios. O casal frequentava a igreja El Shekinah, de Nashua, e era tido como bastante religioso pelos conhecidos. Emerson, segundo testemunhas, seria um bom homem, mas muito ciumento e que pode ter “surtado”. A vítima trabalhava na limpeza de casas e vendia suplementos alimentares. Ele permanecerá preso até o julgamento. Em maio, New Hampshire aboliu a pena de morte, mas, devido à gravidade do crime, o valadarense pode ser condenado à prisão perpétua.

Após a prisão de Emerson e o sepultamento de Nathália, as duas crianças foram levadas para a casa de parentes da vítima em Nashua (NH).

 



Fonte



Outros sites desenvolvidos pela Lima & Santana Propaganda


Lima & Santana Propaganda