Brasileiros enfrentam dificuldade para emitir certificado do Ministério da Saúde que comprova vacinação completa | Jornal Nacional

    0
    13

    Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

    .

    Brasileiros estão enfrentando dificuldade para emitir no aplicativo do Ministério da Saúde o certificado que comprova que completaram a vacinação.

    A vacina que traz alívio pode ser de qualquer laboratório. Para a foto de recordação, cada um tem seu estilo, mas na hora de conseguir um certificado digital para comprovar que você está imune, só tem um jeito: o Conecte SUS. Que pode ser acessado pelo computador, na página do programa na internet, ou pelo celular, baixando o aplicativo.

    Nos dois casos, é preciso fazer um cadastro. Depois é só clicar no ícone vacina, que vão aparecer as doses que você tomou. As informações ficam disponíveis em até dez dias depois da vacinação. Mais um toque e dá para ver em detalhes os seus dados, o lote da vacina aplicada e onde você foi vacinado.

    Quem tomou dose única ou já completou as duas doses, pode emitir o certificado nacional de vacinação, que é a prova digital de que você está imunizado. Lá também tem o QR Code que confirma a autenticidade do documento. O certificado pode ser emitido também em inglês e espanhol. E esse documento já é aceito em alguns países para permitir a entrada de brasileiros e começa a ser uma exigência também em alguns estados e municípios em grandes eventos.

    O problema é que muitos brasileiros se queixam de dificuldades para ter os dados da vacinação registrados no Conecte SUS. E em muitos desses casos, não estão conseguindo emitir o certificado pelo aplicativo do Ministério da Saúde.

    É o caso da analista de marketing Carolline Pimenta. A segunda dose, que ela tomou no dia 18 de agosto, ainda não está registrada. E com as duas doses, ela já poderia ter o certificado. “Eu gostaria de ter o certificado, porque é um direito meu. Eu tomei as duas doses. É importante”, diz.

    O analista de sistemas Otávio Roma tomou a primeira dose no dia 23 de junho em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, mas até agora: “Está vendo? Não tenho o registro da vacina. A gente esperava ter isso, registrado lá, afinal de contas é a nossa comprovação”.

    O aeroviário Nathan Mouro é voluntário da vacina da Pfizer em São Paulo e já está completamente imunizado, mas também não vê nenhum registro no aplicativo: “A minha primeira dose foi 30 do 9 do ano passado, de 2020, e a segunda dose 21 do 10. E é quase um ano que a gente não tem nenhum registro”.

    Carla Domingues, ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunizações, diz que, em pleno funcionamento, o Conecte SUS vai ser uma ferramenta importante para o controle de várias campanhas de vacinação.

    “Quando você tem esse registro nominal e você identifica aonde a pessoa foi vacinada, você faz esse ajuste das coberturas vacinais e podendo avaliar efetivamente qual é a cobertura daquela cidade, e não dados gerais”, destaca.

    Mesmo depois das reclamações, o Ministério da Saúde afirma que o aplicativo está funcionando normalmente. E que para os dados entrarem no sistema, os postos de vacinação de estados e municípios devem fazer o registro na rede federal que alimenta o Conecte SUS. Quem não tiver com o registro, o ministério orienta procurar o local da vacinação. Mas o aplicativo também oferece um suporte para quem está com problema.

    Só que muita gente reclama que a única resposta tem sido essa: “Obrigado, agradecemos seu contato”.



    Fonte