Câncer de mama, tudo sobre o mal mais comum entre mulheres no mundo

0
296

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.

A incidência do câncer de mama é muito alta no Brasil e no mundo. Basicamente, dados apontam que uma em cada 10 ou 8 mulheres correm o risco de ter câncer de mama ao longo da vida.

E, quando se trata de idades mais avançadas – acima dos 50 anos, por exemplo -, é comum o relato da doença em 80% dos casos. Porém, em idades mais jovens, a doença tende a ser ainda mais agressiva.

Hoje em dia, tratar do câncer de mama não é mais um “tabu”. Mas, porque em certas idades essa doença é tão agressiva?

De forma geral, isso acontece porque em mulheres com menos de 40 anos, o câncer de mama pode ter a mutação genética como fator de risco.

Câncer de mama x genética

Por exemplo, mulheres com familiares portadoras de mutação dos genes BRCA1 e BRCA2 têm mais chances de desenvolver a doença. Esses, aliás, são os genes supressores de tumor.

Mas, claro, todas as familiares de alguém que tenha essa característica, necessariamente, herdam a mutação genética. Contudo, as mulheres que têm esses genes correm risco maior de desenvolver câncer de mama.

Logo, a alta densidade mamária em pacientes mais jovens é o fator preocupante para a incidência da doença. Isso, aliás, colabora para o diagnóstico em estágio avançado.

Câncer de Mama: Prevenção constante

Basicamente, prevenção constante é a palavra chave para qualquer mulher. A propósito, o diagnóstico precoce é a regra quando o assunto é câncer de mama.

A Sociedade Brasileira de Mastologia, aconselha que o acompanhamento com Mamografia comece a partir dos 40 anos de idade. E isso vale para as mulheres de forma geral.

Câncer de mama, tudo sobre o mal mais comum entre mulheres no mundo

Por outro lado, quando se trata de pacientes de Alto Risco, os exames devem começar ainda mais cedo. Inclusive, dependendo do  risco e do história familiar, é preciso iniciar a Mamografia e a Ressonância das mamas por volta dos 30 anos.

Acima dos 50 anos, o risco cresce mais e, inclusive, é a partir dessa faixa etária que surgem 80% dos casos. Principalmente em mulheres que nunca realizaram a prevenção antes.

Em outros 7%, a doença é diagnosticada em mulheres com menos de 40 anos. Outros casos são registrados em fases diversas e somam 13%.

Toda forma de prevenção ainda é pouca, pois não existe uma causa conhecida para o desenvolvimento da maioria dos cânceres de mama. No entanto algumas ações visam diminuir os riscos:

  1. Restringir o consumo de álcool e manter a manutenção de um peso corporal ideal;
  2. Amamentar! Mulheres que amamentam por mais de seis meses têm menos chances de desenvolver o câncer, pois essa proteção natural substitui o tecido glandular por gordura nas mamas;
  3. Praticar atividade física. Além do câncer de mama, uma série de doenças podem ter o risco de ocorrência diminuído quando se exercita o corpo;
  4. Alimentar-se de forma saudável. A alimentação nutritiva e balanceada é a grande aliada do exercício físico.

Como identificar o câncer de mama

Não existem regras específicas para realizar o autoexame ou popularmente conhecido toque. Basta se atentar ao reconhecimento de pequenas alterações nas mamas, tais como:

  • Caroço, um nódulo fixo e, normalmente, indolor;
  • Pele da mama com aparência semelhante a casca de laranja, avermelhada ou retraída;
  • Pequenos caroços na região das axilas ou no pescoço;
  • Alterações no mamilo;
  • Saída espontânea de líquido dos mamilos.

Em seu estágio inicial a doença não apresenta sintomas, por isso é importante realizar esse procedimento sempre que possível, seja na hora do banho, troca de roupa ou em qualquer momento adequado para tal.

Se você identificar alguma dessas características, é importante procurar ajuda médica o mais rápido possível.

Câncer de mama, tudo sobre o mal mais comum entre mulheres no mundo
Ilustração criada pela UNB

O risco de ser um câncer de mama pode ser alto, e realizar exames pode ajudar no diagnóstico precoce e gerar melhores resultados com o tratamento. Seu médico poderá recomendar para o diagnóstico exames como:

  • Mamografia, utilizando um aparelho chamado mamógrafo pode-se identificar lesões benignas e nódulos cancerígenos imperceptíveis em exames clínicos ou no autoexame.
  • Ultrassom ou ressonância magnética.

Câncer de mama: Dicas essenciais para realização de exames

Durante a mamografia, algumas mulheres podem sentir desconforto ou dor, que geralmente não impedem a realização do exame.

Esses incômodos são pequenos e passageiros diante da importância da mamografia para a saúde. Então não se preocupe porque dará tudo certo.

Câncer de mama, tudo sobre o mal mais comum entre mulheres no mundo

Confira algumas dicas:

  1. Evite agendar o exame logo antes ou depois da menstruação. O ideal é durante a segunda e terceira semanas do ciclo menstrual, pois neste período há menor densidade do tecido glandular das mamas, tornando o exame mais detalhado e com menor desconforto.
  2. No dia do exame, prefira roupas que possam ser facilmente retiradas e vestidas. O ideal é usar duas peças, com uma camisa abotoada.
  3. Fale com seu o médico caso apresente rigidez muscular, dificuldade para levantar os braços ou outros problemas que possam dificultar a posição correta no aparelho.
  4. O uso de próteses de silicone também deve ser informado ao médico.
  5. O profissional que a atender irá posicioná-la corretamente no mamógrafo. O exame é rápido e você deve se sentir confortável.
  6. Se houver indicação clínica, grávidas também podem ser submetidas à mamografia. Neste caso, é utilizado um avental de chumbo para proteger o feto.

Curiosidade: Reconstrução mamária é possível pelo SUS

O médico Luiz Humberto Garcia de Souza cirurgião plástico e presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica na regional Goiás (SBCP-GO), em entrevista ao jornal O HOJE, considerou que uma mulher que chega a perder a mama, em geral enfrenta problemas de efeito psicológico extremos.

O fator é tão importante para elas, que em grandes hospitais, os principais do País, o Sistema Único de Saúde (SUS), cobre a operação de reconstrução mamária.

Câncer de mama, tudo sobre o mal mais comum entre mulheres no mundo

Para Souza a não realização de exames e a falta de cultura na prática de se auto-examinar, principalmente com idades a partir de 30 anos, são os principais problemas de quem se depara com o câncer de mama.

Com pacientes em que o neoplasma maligno é identificado, os profissionais médicos além da cirurgia, realizam a reconstrução da mamaria.

“Utilizamos para isso prótese ou material da própria pessoa, em cada caso realizamos uma reconstrução diferente”, conclui o profissional ao Jornal.

E, falando no autocuidado e na importância da prevenção, confira ainda: Outubro Rosa: o que é, como surgiu e por que é tão importante?

Fonte: Sociedade Brasileira de Mastologia, Claudia, Jornal O hoje, R7 Saúde.

Imagens: Mensagem com amor, Socientífica, UNB, El País, Vix



Fonte