Cncer de ovrio: tratamento cirrgico e o papel da avaliao especializada

0
89

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.
(foto: Ava Sol/Pixabay)

O cncer de ovrio representa a stima neoplasia mais incidente em mulheres no Brasil, sendo a dcima causadora de morte por cncer em mulheres. Infelizmente, apesar dos avanos em deteco e tratamento, a maioria dos casos diagnosticada em fases avanadas. Para conversar a respeito, convido o doutor Jairo Cerqueira, cirurgio oncolgico do grupo Oncoclnicas.

Existem vrios tipos de tumores de ovrio, mas o subtipo mais comum o de origem epitelial, com mais de 90% dos casos. O fator gentico muito importante nesse tipo de cncer, assim pacientes com familiares diagnosticados com cncer de ovrio, mama e pncreas, principalmente, devem procurar uma avaliao oncolgica para orientao.

O diagnstico, na maioria das vezes, feito atravs de exames de rotina ginecolgica, identificado de forma acidental em ultrassom ou outros exames de imagem. Nesses exames, o que so identificados so as chamadas massa anexiais, que no so necessariamente tumores malignos, mas que devem ser sempre investigados.

O ultrassom transvaginal e abdominal so os exames iniciais para investigao dessas massas, e so muito bons para caracterizar essas estruturas e planejar o tratamento. Algumas caractersticas dessas leses so mais sugestivas de malignidade, como massas de crescimento rpido, contornos mal definidos, massa com componentes slidos e csticos, a presena de lquido na cavidade abdominal entre outras. Essas caractersticas requerem ateno e uma avaliao mais especializada.

Outra forma de avaliar a chance de malignidade de uma massa anexial so os marcadores tumorais, substncias dosadas no sangue, sendo o CA-125 o de uso mais frequente. Ele encontra-se elevado em 80% dos casos de cncer de ovrio, mas no um marcador muito especfico. Sendo assim, outras doenas benignas podem causar sua elevao, como endometriose, pancreatite, cirrose, entre outras.

Aps essa avaliao, definida a chance de malignidade. A primeira parte do tratamento normalmente envolve a cirurgia videolaparoscpica. Nela conseguimos definir a extenso da doena, avaliar a possibilidade de retirada total do tumor, e conseguir bipsia para definir o tipo de tumor. A cirurgia laparoscpica deve seguir diversas regras e por vezes envolver a retirada de mltiplos rgos.

Por exemplo, deve-se sempre colher citologia onctica peritoneal, tambm conhecido como lavado peritoneal, que faz parte do estadiamento da doena, avaliando a presena de clulas tumorais fora da massa principal. Tambm devemos evitar ao mximo a manipulao excessiva do tumor, tentando preservar sua integridade e impedir a sua fragmentao. A utilizao de endobags, uma espcie de plstico protetor utilizado para evitar o contato do tumor com outras estruturas, tambm recomendada.

Em tumores iniciais, por vezes a resseco da massa somente o suficiente para tratamento. Mas, em casos avanados, a cirurgia tem que ser mais agressiva e consequentemente maior. O objetivo da cirurgia sempre fazer a retirada total dos focos do tumor, portanto, se houver acometimento de outros rgos, todos esses pontos devem ser ressecados. Na maioria dos casos, essa abordagem feita de forma convencional, com cirurgia aberta. Assim, o cirurgio que ir fazer a cirurgia deve estar apto e acostumado com cirurgias de grande porte e de mltiplos rgos.

Os cuidados no ps operatrio podem envolver necessidade de CTI, uso de drenos e sondas e, por vezes, a paciente pode demorar alguns dias para retornar para casa. importante ressaltar que a cirurgia tem um impacto muito importante no sucesso do tratamento do cncer de ovrio, portanto a participao do cirurgio oncolgico ou ginecologista oncolgico essencial.

Tem alguma dvida ou gostaria de sugerir um tema? Escreva pra mim: [email protected]



Fonte