Drenagem-linfática-manual (1) power point – Fisiologia I

0
39

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.
do Sistema Linfático
Coletores: composto por várias camadas, mais espesso e resistente que as
estruturas anteriores. Recebe a linfa dos pré-coletores.
É dividido em três túnicas: íntima que é composta por células endoteliais, tecido
conjuntivo e válvulas (pré-coletores). Envolvendo-a, temos de três a cinco
camadas de musculatura lisa, a túnica média. Por fim, túnica adventícia é
formada por fibras colágenas e elásticas, por musculatura lisa e pequenos vasos
sanguíneos que alimentam o próprio vaso.
Estruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema Linfático
Ducto torácico: drena a linfa dos membros
inferiores, hemicorpo esquerdo, hemiface
esquerda, órgãos abdominais, região
lombossacra, glúteos e membro superior
esquerdo. Tem início na cisterna do quilo (ou
Pecquet), pela junção de vários coletores
(intestinais, lombares e torácico inferior),
prossegue paralelamente à clavícula, faz uma
alça e desemboca na junção das veias subclávia
esquerda e jugular interna esquerda.
Estruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema Linfático
Estruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema Linfático
Linfonodos: Localizam-se no trajeto dos vasos linfáticos e agem como uma
barreira ou filtro contra a penetração na corrente circulatória de
microorganismos, toxinas ou substâncias estranhas ao organismo.
São elementos de defesa para o organismo e produzem glóbulos brancos,
principalmente linfócitos.
Os linfonodos localizam-se na região cervical, nas cavidades torácica, abdominal
e pélvica e na região axilar e inguinal.
Estruturas do Sistema Linfático Estruturas do Sistema Linfático Estruturas do Sistema Linfático Estruturas do Sistema Linfático ---- Linfonodo
Estruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema Linfático
Órgãos Linfóides: Possuem relação
direta com os vasos linfáticos ou com a
linfa, participando do sistema imune do
corpo. Estes órgãos são o baço, que tem
como função filtrar o sangue produzindo
os anticorpos; o timo, que produz as
células T; tonsilas, que atuam sobre a
invasão bacteriana; e a medula óssea,
progenitora das células sanguíneas,
fabricando hemácias, leucócitos e
plaquetas.
Estruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema Linfático
Linfangion: organiza-se como um segmento coletor linfático com uma camada
muscular central e válvulas sem fibras musculares, formados por
prolongamentos da túnica íntima em ambas as extremidades. É a verdadeira
unidade funcional do sistema linfático (considerando sua unidade motora).
Consiste de uma parte valvular com pouco ou nenhum músculo e de uma parte
com espessa e forte camada muscular. Funciona como uma válvula que
“empurra” a linfa através do sistema linfático
Drenagem Drenagem Drenagem Drenagem Linfática Linfática Linfática Linfática 
Principais GângliosPrincipais GângliosPrincipais GângliosPrincipais Gânglios
Principais Gânglios Principais Gânglios Principais Gânglios Principais Gânglios da Faceda Faceda Faceda Face
Principais Gânglios Principais Gânglios Principais Gânglios Principais Gânglios MamaMamaMamaMama
Principais Gânglios Principais Gânglios Principais Gânglios Principais Gânglios TóraxTóraxTóraxTórax
Principais Gânglios Membro Principais Gânglios Membro Principais Gânglios Membro Principais Gânglios Membro SuperiorSuperiorSuperiorSuperior
Principais Gânglios Membro InferiorPrincipais Gânglios Membro InferiorPrincipais Gânglios Membro InferiorPrincipais Gânglios Membro Inferior
Estruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema LinfáticoEstruturas do Sistema Linfático
Linfa: Líquido composto por proteínas, água, pequenas células,
microorganismos e coágulos sanguíneos. Incolor, viscoso e de odor leve e
desagradável, apresenta fator de coagulação.
A linfa é um liquido aquoso e claro semelhante ao plasma, devido a grande
quantidade de leucócitos, sendo que 99% são linfócitos.
O fluxo normal da linfa é de 2 a 4l/dia.
Escoamento da Linfa nos Vasos LinfáticosEscoamento da Linfa nos Vasos LinfáticosEscoamento da Linfa nos Vasos LinfáticosEscoamento da Linfa nos Vasos Linfáticos
A linfa é empurrada ao longo dos vasos linfáticos pelos seguintes mecanismos: 
�Ação bombeadora dos músculos esqueléticos sobre os vasos linfáticos 
�Ação reflexa ao batimento das artérias 
�A sucção formada pelos movimentos respiratórios 
�A formação de nova linfa empurrando a antiga para frente. 
�O estiramento e a contração do segmento de um vaso linfático entre duas 
válvulas 
�Compressão dos tecidos 
Fisiologia do Sistema LinfáticoFisiologia do Sistema LinfáticoFisiologia do Sistema LinfáticoFisiologia do Sistema Linfático
O funcionamento do sistema linfático por meio do equilíbrio existente entre os 
fenômenos de filtragem e de reabsorção no nível das terminações capilares. 
A água carregada de elementos nutritivos, sais minerais e vitaminas deixa a luz 
capilar e chega ao meio intersticial e banha as células. 
Estas retiram desse líquido os elementos necessários a seu metabolismo e 
eliminam os produtos de degradação celular. 
Em seguida o líquido intersticial é, pelo jogo das pressões, retomado pela rede de 
capilares. 
Fisiologia do Sistema LinfáticoFisiologia do Sistema LinfáticoFisiologia do Sistema LinfáticoFisiologia do Sistema Linfático
A mecânica da captação ou reabsorção dos
capilares linfáticos iniciais ocorre por meio da
abertura dos espaços intercelulares que unem o
capilar inicial ao tecido circundante. A evacuação
ocorre pelo acionamento do linfangion, levando à
contração das válvulas nos coletores linfáticos.
Circulação da LinfaCirculação da LinfaCirculação da LinfaCirculação da Linfa
A circulação linfática é responsável pela absorção de detritos e
macromoléculas que as células produzem durante seu metabolismo, ou que
não conseguem ser captadas pelo sistema sanguíneo.
O sistema linfático coleta a linfa, por difusão, através dos capilares linfáticos, e
a conduz para dentro do sistema linfático.
Uma vez dentro do sistema, o fluido é chamado de linfa, e tem sempre a
mesma composição do que o fluido intersticial.
Formação da LinfaFormação da LinfaFormação da LinfaFormação da Linfa
A linfa é formada a partir do liquido intersticial (líquido entre as células), que é
formado pelo plasma sanguíneo que sai dos vasos para nutrir os tecidos. Este
líquido que fica entre as células é absorvido pelos capilares linfáticos e
conduzido novamente à circulação sanguínea.
A saída de líquidos dos vasos para o meio intersticial é regulada por duas
pressões, a pressão hidrostática e a pressão oncótica.
A pressão hidrostática é a própria pressão exercida pela passagem do sangue no
vaso, esta favorece a saída de líquidos do meio intravascular para o interstício.
Formação da LinfaFormação da LinfaFormação da LinfaFormação da Linfa
A pressão oncótica é gerada pelas proteínas plasmáticas presentes no sangue,
esta faz com que o líquido permaneça no interstício ou entre para o meio
intravascular. Nas arteríolas, a pressão hidrostática é maior que a pressão
oncótica, o que faz com que certa quantidade de liquido extravase para o meio
intersticial, banhando e nutrindo as células.
A este processo chamamos de filtração arterial. Já nas vênulas, a pressão
oncótica é maior, fazendo com que o líquido que banha as células (meio
intersticial) retorne para o sistema venoso; processo denominado absorção
venosa.
Em geral, a filtração ocorre em maior quantidade em relação a absorção venosa, fazendo com que 
“sobre” líquido no meio intersticial. Porém, este desequilíbrio é revertido pelo sistema linfático, que 
auxilia na absorção venosa, captando o excesso de líquidos gerado pelo desequilíbrio venoso/arterial, 
e conduzindo-o novamente ao sistema sanguíneo, desembocando



Fonte