É possível amamentar após fazer uma redução de mama? – Revista

0
298

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.


Saiba as implicações da redução de mama para o processo de amamentação e tire suas principais dúvidas sobre o assunto

A maternidade pode ser um dos fenômenos mais incríveis da vida de uma mulher. Levando isso em conta, amamentar o bebê cria um laço afetivo indescritível com a mãe.

Algumas condições e processos cirúrgicos podem levar à incapacidade de amamentação. E muitas mulheres ficam em dúvida se reduzir as mamas por procedimento cirúrgico pode ser um problema para a situação. 

Pensando nisso, hoje vamos falar sobre as implicações da cirurgia sobre o aleitamento materno. 

Pronta para saber mais sobre o assunto? Continue sua leitura até o final!

Como funciona o procedimento de redução de mama?

Também conhecida como mamoplastia redutora, a cirurgia para redução dos seios é muito utilizada para tratar mamas acima do tamanho, pesadas e que não se encaixam na anatomia da paciente.

Geralmente os problemas das mamas grandes não se relacionam somente com quesitos estéticos, podendo comprometer seriamente a saúde de mulher, principalmente com relação a questões posturais e desvios de coluna.

Muitas vezes o excesso de pele e flacidez fazem com que o resultado estético da cirurgia não se torne muito agradável. Por isso, aliar a redução das mamas à inclusão de prótese de silicone pode gerar maior satisfação e deixar o visual ainda mais atraente. 

Neste caso, o resultado da mamoplastia de aumento é dependente de uma prévia redução do tecido mamário para resultados satisfatórios. 

Claro que tudo varia conforme a  situação particular, por isso, é necessário que você pergunte ao cirurgião plástico qual a conduta mais adequada para o seu perfil. 

Como fica a amamentação após a redução das mamas?

Mesmo que a redução das mamas devolva a autoestima e melhore os problemas de saúde e dores nas costas de muitas pacientes, algumas mulheres ainda têm medo de fazer a cirurgia e ter a amamentação comprometida.

Assim, responder à pergunta “é possível amamentar após uma cirurgia de redução de mamas” é uma tarefa um tanto quanto complicada. Afinal, tudo depende de uma série de fatores e não somente da execução do procedimento em si. 

De fato, a redução das mamas pode sim trazer como risco a incapacidade de amamentação. Mas existem também soluções para contornar esse problema, não sendo o caso de todas as mulheres que se submetem ao procedimento.

Por que a cirurgia pode levar à incapacidade de amamentar?

Em geral, a incapacidade de amamentar após o procedimento está relacionada com os seguintes fatores:

  • Intervenção sofrida na região dos mamilos

O ideal é que o cirurgião plástico manipule os mamilos o menos possível durante o procedimento, diminuindo os riscos com relação à amamentação.

Se houver uma grande redução da sensibilidade dos mamilos, o fluxo de leite pode reduzir bruscamente e gerar uma série de dificuldades para amamentar. 

  • Possibilidade de danificar estruturas

Em casos que se faz necessário o reposicionamento de estruturas como mamilos e aréolas, nervos e dutos mamários pode sofrer danos.

Com isso, a amamentação acaba sendo prejudicada pela interrupção na liberação de hormônios responsáveis pelo aleitamento materno.

  • Lesão nas áreas produtoras de leite

Geralmente lesões e cortes nas áreas responsáveis pela síntese do leite podem ser irreversíveis. 

Mas se elas não ocorrerem em tais regiões, mas sim nos dutos mamários, é possível que eles sejam renovados em um período de cinco anos, recuperando os possíveis danos. 

Por isso, quanto maior for o tempo entre a realização da cirurgia e a amamentação, maiores as chances de amamentar normalmente.

Mas é bom saber que, graças aos avanços da medicina moderna, as técnicas atuais de mamoplastia redutora preservam ao máximo os nervos, vasos e dutos mamários, mantendo intacta a função de amamentação.

Embora nem todas as pessoas acreditem, são os fatores psicossociais e a orientação inadequada que mais interferem na incapacidade de amamentação pós-cirúrgica.

Em nosso país, muitas mulheres não recebem apoio e instruções adequadas para iniciar o processo de aleitamento e isso acaba piorando ainda mais a situação de quem se submeteu a uma cirurgia redutora.

Isso acontece porque, sem informação adequada, é disseminado o mito de que a redução mamária extingue a possibilidade de amamentação. Infelizmente, alguns profissionais também acabam impulsionando esse tabu e comprometendo o estado mental da paciente.

Por isso, é importante ter em mente que a maioria das mulheres podem sim amamentar após uma redução de mama, desde que tenham acompanhamento e instruções adequadas e não tenham tido sequelas sérias com o processo.

Daí a importância de escolher um bom cirurgião plástico e que opte por técnicas modernas para realizar o procedimento. 

Durante o aleitamento, também é indicado ter uma consultora de amamentação que poderá auxiliar em todo o processo. 

Dicas para amamentar após a mamoplastia redutora

Que tal conferir algumas dicas para te auxiliar no processo de aleitamento materno após uma cirurgia de redução das mamas?

  • Utilize bombinhas elétricas ou manuais para estimular a produção de leite nas primeiras semanas;
  • Opte por técnicas como a relactação para estimular a síntese de leite;
  • Fique calma! Uma mente relaxada ajuda muito na adaptação com a amamentação, tanto sua quanto do bebê;
  • Prepare-se para o momento: amamente em locais calmos, arejados e fique conectada com o seu bebê sempre que possível;
  • Encontre uma posição confortável para você e seu filho;
  • Mantenha-se bem hidratada enquanto estiver amamentando, tomar muita água é essencial;
  • Observe bem os sintomas da sua mama (como inchaço ou endurecimento);
  • Procure uma consultoria em amamentação para acompanhar o processo e o ganho de peso do bebê. 

Outros aspectos importantes

Como você viu, a incapacidade de amamentação após uma cirurgia de redução das mamas está muito mais relacionada com fatores psicológicos e sociais do que lesões da cirurgia em si.

Por isso, procurar um cirurgião de confiança, esperar um tempo para ter o bebê e buscar aconselhamento específico podem fazer total diferença para o sucesso do processo. 

Gostou do conteúdo de hoje sobre a amamentação após redução das mamas? Comente logo abaixo suas dúvidas – estamos prontos para atendê-la!



Fonte