Explante de silicone: complicações com as próteses podem levar à retirada

0
7

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.
Marcação nos seios para colocar prótese de silicone. Crédito: Shutterstock

Colocar próteses de silicone está entre os sonhos de muitas mulheres, mas é preciso ter cuidado ao passar pela cirurgia que deve ser feita com profissionais especializados e seguindo todas as orientações médicas para que seja segura. Nos últimos anos, o movimento inverso vem ganhando cada vez mais adeptas, incluindo famosas, que optaram por retornar ao formato natural dos seios, seja por uma silhueta mais original ou por complicações enfrentadas com as próteses.

A influenciadora Evelyn Regly, que acumula mais de cinco milhões de seguidores no Instagram, compartilhou sua experiência de explante mamário na rede social. Trata-se do procedimento de remoção definitiva de implantes de silicone.

No caso da influencer, a escolha foi feita porque a experiência com as próteses não foi tão boa. “Foram 9 meses com os seios abertos, correndo risco de infecção. Inúmeras idas à emergência e a médicos, como mastologista, infectologista… Fui do sonho ao pesadelo”, desabafou em uma de suas postagens.

“Quando eu falo que os riscos não são divulgados eu não estou falando dos riscos que a gente já corre fazendo a cirurgia: entubação, anestesia, o pós operatório sofrido (isso a gente já meio que espera), eu tô falando do que esse corpo estranho pode trazer para a sua saúde”, complementou.

Quando o explante é recomendado

Humberto Pinto

Ccirurgião plástico e Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

“A maioria das complicações com a prótese envolvem questões infecciosas”

O cirurgião plástico e Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica Humberto Pinto explica que as principais complicações que podem acontecer em relação à prótese são a ruptura do implante e a contratura capsular, uma reação do organismo que ocorre em volta da prótese e a endurece. “A maioria das complicações com a prótese envolvem questões infecciosas. Nestes casos, o paciente faz um foco infeccioso à distância e essa infecção se instala ali ao redor da prótese, que colabora com a perpetuação do problema”, destaca.

Apesar desses riscos, o médico afirma que o silicone em si não oferece grandes perigos. “É um material bastante inerte e quando bem colocado e bem indicado pode passar dezenas de anos sem causar nenhuma alteração no corpo do paciente”, pontua Humberto.

“Claro que cada caso é um caso, tem diversas condições predisponentes da paciente. Além disso, é importante que quem tem o silicone faça os exames comuns, como a mamografia, assim como as pacientes sem silicone. E, em caso de dúvidas, é necessário procurar pelo seu médico levando seus exames clínicos e laboratoriais”, acrescenta.

Cirurgia e pós-operatório

O explante é feito a partir de uma pequena incisão por onde a prótese é retirada. “Em alguns casos, é colocado um dreno que fica ali de um a dois dias”, complementa o cirurgião.

O pós-operatório é comum a uma mamoplastia redutora, com restrições maiores de 20 a 30 dias sem mobilização exagerada dos braços. São necessários curativos diários e uso de sutiã modelador, além do constante acompanhamento médico de acordo com a necessidade da paciente.

“Os cuidados pós-cirúrgicos são a limpeza da ferida e os remédios analgésicos e antibióticos. Especificamente nos casos de ruptura de prótese, os antibióticos são mantidos por mais tempo, mas em termos gerais, a recuperação é bem rápida”, finaliza o médico.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível



Fonte



Outros sites desenvolvidos pela Lima & Santana Propaganda


Lima & Santana Propaganda