Famílias de idosos que venceram a Covid-19 comemoram recuperação: ‘Vitória’ | Mais Saúde

    0
    60

    Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

    .

    As consequências da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, são grandes, mas ainda não totalmente conhecidas. A preocupação é maior para com idosos e pacientes com doenças crônicas, classificados como grupo de risco. Apesar da difícil recuperação, o G1 conversou com familiares de pacientes da Baixada Santista que tiveram alta do hospital. “É uma vitória do nosso guerreiro”, diz Letícia Monteiro Garcia, de 31 anos, neta de um paciente oncológico que se recuperou do vírus.

    Benedito de Sousa e Silva, de 76 anos, fazia tratamento pela segunda vez para um câncer quando recebeu o diagnóstico positivo para Covid-19. Sendo do grupo de risco pela idade e doença, ele precisou ter cuidados redobrados e um acompanhamento médico constante. Após cinco dias internado em Santos, no litoral de São Paulo, o morador de Iguape pode voltar para casa.

    Segundo a neta, Letícia, a saída do hospital foi um alívio para toda a família, devido à saúde já comprometida de Benedito. “Quando ele voltou para casa, o período de isolamento foi de mais nove dias. Quando ele saiu do quarto, em um domingo, fizemos um café da manhã especial para ele”, comenta.

    Profissionais da saúde aplaudem idoso durante saída — Foto: Reprodução/TV Tribuna

    Mesmo com a recuperação da Covid-19, ele precisou continuar o tratamento para o mieloma, tumor no sangue que descobriu no início do ano. A neta explica que seu Benedito voltou a passar na médica para retomar a radioterapia, já terminou as dez sessões recomendadas e agora aguarda o retorno para ver a situação atual do câncer.

    “Hoje, mantemos os mesmos cuidados, até porque minha avó está agora conosco, e também faz parte do grupo de risco por ter diabetes. Vamos aguardar com pensamento e fé de que tudo vai passar o mais rápido possível, e que a gente possa reunir a família toda e comemorar”, finaliza Letícia.

    Maria recebeu alta e pode voltar para casa em Itanhaém (SP) — Foto: Arquivo Pessoal

    “Ela é muito forte”. Essa é a descrição da neta Bianca Ramos Cardozo, de 18 anos, sobre a avó Maria da Guia Ramos, de 79. A idosa se recuperou do coronavírus e teve alta nesta quinta-feira (14), após alguns dias internada com sintomas. Maria tem diabetes e pressão alta, e a notícia da Covid-19 foi uma surpresa para a família, já que ela permanecia em casa desde o início da quarentena.

    “A minha avó começou com perda de paladar, cansaço e muita tosse. Como ela não teve febre, a gente achou que não era coronavírus. Depois, fomos ao hospital, e ela teve uma alteração no pulmão”, conta a neta. Ela explica que a descoberta da doença aconteceu no mesmo dia, mas ela voltou para casa, em Itanhaém. Com a piora no quadro, a idosa precisou voltar ao hospital e ficou internada por dez dias.

    A família, bastante unida, ficou preocupada no período em que não pode visitar a idosa. No grupo de WhatsApp dos parentes, a neta conta que tinha horário marcado para o boletim da avó, e quando o médico passava a situação por telefone, eles já transmitiam para que todos se sentissem próximos à idosa. Bianca comemora a saída do hospital e registra cada momento com a avó. Maria contou que a pior parte da internação é ficar sem ver a família.

    Idosa ficou internada no Hospital Ana Costa, em Santos (SP) — Foto: Arquivo Pessoal/Gabriela Thomé Curti

    A volta para casa da idosa de 82 anos Cecília Guimarães Thomé foi emocionante para médicos e familiares. Isso porque a paciente tem Alzheimer, e o período de internação com Covid-19 foi muito preocupante para toda a família. “A maior preocupação que nós tínhamos é de deixá-la sozinha, já que, infelizmente, ela não tem a compreensão do que está acontecendo”, declara a neta Gabriela Thomé Curti.

    Apesar do susto com a internação, após mais de 20 dias ela recebeu alta e emocionou a equipe do hospital (veja vídeo abaixo). Mas, a volta para casa também precisou de cuidados, especialmente para Cecília recuperar a parte motora, que foi prejudicada com o tempo na unidade.

    A idosa precisa fazer fisioterapia para voltar a se locomover e voltar a ter firmeza e confiança. Com a avó em casa, a família comemora a conquista e aproveita para ficar perto acompanhando a evolução no quadro de Cecília.

    “A mensagem para as pessoas que estão passando por essa situação com algum ente querido no hospital é que todos tenham esperança”, finaliza Gabriela.

    Idosa com Alzheimer vence coronavírus e emociona família e equipe médica em Santos



    Fonte