Garçom envolvido na morte de jovem por R$ 7 pega 13 anos de prisão e vai responder em liberdade | Santos e Região

    0
    268

    Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

    .

    A Justiça condenou a 13 anos de prisão o garçom Robinson de Jesus Lima, de 50 anos, pelo envolvimento no assassinato do estudante Mário dos Santos Sampaio, de 22, em de um restaurante em Guarujá, no litoral de São Paulo. Pela sentença, o réu poderá recorrer em liberdade. O dono do estabelecimento e o filho dele estão presos cumprindo pena.

    Mário foi morto a facadas em 31 de dezembro de 2012, após uma discussão pela diferença de R$ 7 no valor da conta. Além do garçom, o Ministério Público também denunciou o dono do restaurante, José Adão Pereira Passos, de 61 anos, e o filho dele, Diego Souza Passos, de 29. Ambos foram condenados a 20 e 17 anos de prisão, respectivamente.

    A sentença foi declarada pelo juiz, após júri popular ocorrido entre a manhã e a noite de quarta-feira (28) no Fórum de Guarujá. A promotoria informou que vai recorrer para que ocorra o aumento da pena e para que ele seja imediatamente preso. Robinson respondeu ao processo pela participação no homicídio duplamente qualificado.

    Em 2013, polícia divulgou foto do garçom suspeito de participar da morte de estudante — Foto: Divulgação/Polícia Civil

    Em 2013, polícia divulgou foto do garçom suspeito de participar da morte de estudante — Foto: Divulgação/Polícia Civil

    Segundo o advogado de defesa da vítima, Antônio Gonzalez Santos Filho, testemunhas afirmaram que viram o garçom entregando a faca utilizada no crime ao dono do restaurante. “A participação dele é tão grande quanto quem efetuou o próprio golpe. Sem ele o golpe não teria sido efetuado”, declarou antes do júri.

    O advogado que defendeu o garçom, Alexandre Beserra Subtil, disse apenas que esperava que o cliente fosse absolvido.

    Mário Sampaio, de 22 anos, morava em Campinas (SP) e passava férias em Guarujá. Ele foi morto após jantar com três amigos e a namorada em um restaurante no bairro Enseada. A confusão começou quando ele questionou a conta. Segundo a polícia, o jovem se recusou a pagar o valor de R$ 19,99, alegando que o divulgado era R$ 12,99.

    A atendente do caixa chamou o gerente do restaurante e eles começaram a discutir. Em seguida, o dono do estabelecimento, que é o pai do gerente, disse que aceitava o valor de R$ 12,99. Porém, ainda segundo a polícia, o gerente passou a ameaçar o jovem, dizendo que ele o aguardaria do lado de fora para brigar.

    Homicídio aconteceu em um restaurante no bairro Enseada, em Guarujá, SP  — Foto: Alan Ferreira/TV TribunaHomicídio aconteceu em um restaurante no bairro Enseada, em Guarujá, SP  — Foto: Alan Ferreira/TV Tribuna

    Homicídio aconteceu em um restaurante no bairro Enseada, em Guarujá, SP — Foto: Alan Ferreira/TV Tribuna

    Para evitar a confusão, Mário não saiu de dentro do restaurante e chamou a Polícia Militar. Neste momento, o gerente do estabelecimento e outros três garçons começaram a agredir o rapaz com vários socos. De acordo com a polícia, ao ver a briga, o dono do restaurante golpeou o turista com três facadas nas costas.

    José Adão Pereira Passos e Diego Souza Passos, pai e filho, foram presos em janeiro de 2013. Dois anos depois, em outubro de 2015, eles foram condenados a 17 e 14 anos de prisão, respectivamente, por homicídio duplamente qualificado e fraude processual – por terem escondido as câmeras de monitoramento do restaurante.

    No ano seguinte, após recurso do advogado de defesa da vítima, a prisão de José Adão foi ampliada para 20 anos e a de Diego Passos, para 17.

    José Adão Pereira Passos (à esquerda) e o filho, Diego Souza Passos, foram condenados a 20 e 17 anos de prisão, respectivamente  — Foto: Reprodução/TV TribunaJosé Adão Pereira Passos (à esquerda) e o filho, Diego Souza Passos, foram condenados a 20 e 17 anos de prisão, respectivamente  — Foto: Reprodução/TV Tribuna

    José Adão Pereira Passos (à esquerda) e o filho, Diego Souza Passos, foram condenados a 20 e 17 anos de prisão, respectivamente — Foto: Reprodução/TV Tribuna



    Fonte