Homem perde memória e movimento das pernas após contrair meningite bacteriana | Mais Saúde

    0
    23

    Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

    .

    Um rapaz de São Vicente, no litoral paulista, luta para recuperar o movimento das pernas após contrair meningite bacteriana. José Aniudo dos Santos, de 34 anos, contraiu a doença em agosto de 2020, e também sofreu perda de memória.

    Segundo o morador do bairro Vila Margarida, ele foi internado em um hospital de Guarujá, também no litoral de São Paulo, após contrair a doença. Dentre as principais sequelas, o rapaz relata ter perdido a memória, que foi recuperada aos poucos após quatro meses, além de ficar paraplégico, depois de 48 dias internado e desacordado.

    Após receber alta do hospital, em setembro, ele voltou para casa e, no início de 2021, iniciou as sessões de fisioterapia, com o objetivo de recuperar o movimento das pernas. Em entrevista ao G1, Santos explicou que a recuperação estava indo bem, já que ele estava conseguindo andar lentamente, se apoiando em paredes.

    No entanto, após a interrupção do tratamento, em fevereiro, por conta das férias da fisioterapeuta que o atendia, os movimentos começaram a parar novamente, e ele precisou voltar a utilizar um andador e uma cadeira de rodas. “Minha vida é em cima de uma cama, não posso fazer nada sozinho. Me sinto frustrado. A minha vida parou, dependo dos outros para tudo”, conta.

    Rapaz chegou a realizar cinco sessões de fisioterapia, notando uma melhora significativa, mas regrediu após interrupção do tratamento — Foto: Arquivo Pessoal

    Ele relata que não possui condições de pagar por um tratamento em uma clínica particular, por isso, depende do atendimento oferecido pela rede pública de saúde, que foi retomado somente na última terça-feira (20). Santos ainda esclarece que era uma pessoa ativa antes da doença, que costumava fazer viagens, passear e sair com os amigos.

    “Eu tinha uma vida ativa, fazia o que queria, e hoje estou em cima da cama, dependendo da minha mãe. Na bagunça, na saúde, eu tinha muitos amigos, mas na doença, fiquei sozinho, tenho apenas minha mãe e minha irmã”, lamenta.

    Após ficar dois meses sem fisioterapia, o rapaz lamenta a regressão de toda a evolução que tinha conquistado com o início do tratamento, e segue na esperança de poder se recuperar pelo menos ao ponto de conseguir andar apenas com o auxílio de uma bengala. Ele ainda relata que não sabe como contraiu a doença, mas que é grato por ter sobrevivido.

    “Só sonho em me recuperar, para ter uma vida normal e não depender dos outros, fazer o que eu quiser. Eu daria tudo para poder sair dessa cama e ter uma vida normal”, conclui.

    Em nota, a Prefeitura de São Vicente esclareceu que, com as unidades fechadas por conta da pandemia do novo coronavírus, os profissionais foram direcionados às unidades da rede de urgência e emergência para dar suporte ao atendimento dos casos de Covid-19, que são a prioridade nesse momento.

    Ainda conforme a administração, nos meses de março e abril, a Secretaria de Saúde municipal perdeu três profissionais de fisioterapia, já que duas servidoras pediram exoneração e uma se aposentou. Atualmente, o serviço conta com quatro fisioterapeutas para atender à população, por isso, houve atraso em alguns atendimentos, mas o morador em questão já retornou às sessões.

    O neurocirurgião João Luis Cabral Junior explicou que a meningite é uma infecção bacteriana, viral ou fúngica das meninges do cérebro. No caso da meningite bacteriana, dependendo do grau, a doença pode causar um edema, um inchaço cerebral, que pode comprometer a parte motora, cognitiva, entre outras.

    O especialista esclarece que, quanto mais sequelas, mais tardio foi o diagnóstico da doença. Ele relata que os casos que sobrevivem à meningite, quando descobertos e tratados na fase inicial, podem não apresentar qualquer sequela.

    Cabral ainda explica que as sequelas que permanecem mais de seis meses sem melhoras podem não ser mais revertidas. Porém, os pacientes que iniciam o tratamento logo após o diagnóstico podem se recuperar aos poucos.

    VÍDEOS: G1 em 1 Minuto Santos



    Fonte