INERVAÇÃO, IRRIGAÇÃO E DRENAGEM LINFÁTICA DA FACE E DO COURO CABELUDO – Anatomia II

0
19

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.
aos ramos da 
artéria maxilar 
Saindo dele, há a veia facial profunda, 
que drena para a facial 
Ele é drenado, na parte de trás, pela 
veia maxilar, que se junta à veia 
temporal superficial. Essas duas 
formam a veia retromandibular 
(dentro da parótida), atrás do ângulo 
da mandíbula 
 
 
 
DRENAGEM LINFÁTICA DA FACE E 
DO COURO CABELUDO 
O couro cabeludo não tem linfonodos 
e, com exceção das regiões 
parotideomassetérica e da bochecha, 
a face não tem linfonodos 
ANEL SUPERFICIAL DE LINFONODOS 
A linfa do couro cabeludo, da face e 
do pescoço drena para o anel 
superficial de linfonodos, formado por 
5 grupos de drenagem na junção da 
cabeça e do pescoço: 
OCCIPITAL 
Linfa da parte posterior do couro 
cabeludo 
MASTÓIDEO OU AURCULAR 
POSTERIOR 
Parte posterior do couro cabeludo 
PAROTÍDEO 
Parte anterior/lateral do couro 
cabeludo e das pálpebras 
SUBMANDIBULAR 
Região lateral e asas do nariz, lábio 
superior e lateral do lábio inferior 
SUBMENTUAL 
Resto do lábio inferior e região 
mentual 
 
 
 
A linfa dos linfonodos parotídeos 
superficiais segue para os linfonodos 
cervicais profundos, uma cadeia de 
linfonodos localizada ao longo da veia 
jugular interna no pescoço. 
O grupo cervical profundo drena para 
o tronco linfático jugular, que se une 
ao ducto torácico no lado esquerdo e 
à veia jugular interna ou à veia 
braquiocefálica no lado direito



Fonte