Mamografia e silicone: médico tira dúvidas sobre exame de prevenção contra câncer de mama

0
23

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.

“O câncer de mama, quando diagnosticado precocemente, tem um índice muito grande de cura”, afirma o cirurgião plástico Luiz Haroldo Pereira, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. No mês de outubro, em que se promove campanhas de conscientização sobre o câncer de mama, o Outubro Rosa, o Purepeople abre espaço para abordar o tema e reforçar a importância dos exames de rotina para um diagnóstico precoce.

Aliados a mudança de hábitos para fortalecer a saúde e uma alimentação rica em nutrientes que ajudam a prevenir o câncer, a mamografia e o ultrassom são fundamentais para a descoberta de tumores, muitas vezes não detectados no autoexame. Mas muitas mulheres fogem dos consultórios. “Infelizmente as lendas sobre o assunto acabam comprometendo o diagnóstico precoce e dificultando o tratamento’, explica o médico.

Vídeo relacionado

PRÓTESES DE SILICONE E CÂNCER DE MAMA

De acordo com o especialista, as próteses de silicone nos seios estão entre as cirurgias que despertam maior interesse das mulheres no Brasil. Por este motivo, surgem muitos questionamentos sobre as próteses de silicone e os exames de prevenção do câncer de mama, no caso a mamografia.

O doutor Luiz Haroldo Pereira destaca a necessidade de realização de exames a partir dos 40 anos e a urgência de desmistificar alguns mitos envolvendo a prótese de silicone. Ele alerta ainda sobre a importância do autoexame e ultrassom a partir dos 18 anos.

“Na faixa de 40 a 50 anos, a indicação é que a mulher se submeta a esse método a cada dois anos, se não houver nenhuma alteração. A partir dos 50 anos, a mamografia deve ser anual. Já mulheres com histórico de câncer na família, ou seja, cujas mães, avós ou irmãs tiveram câncer de mama, devem iniciar a mamografia mais cedo, aos 35 anos, por conta do fator hereditário”, explica o cirurgião, respondendo algumas dúvidas mais comuns sobre silicone e mamografia. Confira 7 mitos e verdades abaixo!

MÉDICO ESCLARECE 7 DÚVIDAS SOBRE IMPLANTE DE SILICONE E MAMOGRAFIA

1- Quem tem silicone não pode fazer mamografia? “Todas as mulheres, quando na idade indicada, podem e devem fazer a mamografia anualmente. E o fato de terem próteses de silicone não impede em nada que esse importante exame de prevenção seja feito.”

2- Silicone pode prejudicar o exame de mamografia: “A mamografia pode ser feita em mulheres com próteses de silicone normalmente. No entanto, alguns cuidados são necessários no momento da realização do exame.”

3- O silicone pode romper durante a mamografia: “Nos casos em que a mulher possui próteses de silicone, o aparelho de mamografia é ajustado para fazer uma pressão menor do que em mulheres sem implantes e assim evitar o risco de que o silicone se rompa.”

4- A mamografia pode ser dolorida: “O exame de mamografia consiste na compressão das mamas para obtenção das imagens. Sendo assim, é possível que o exame cause certo desconforto em algumas mulheres, independentemente da presença ou não dos implantes de silicone.

5 – É necessário fazer mamografia todos os ano para detectar tumores? “Verdade! A mamografia é a principal forma de diagnóstico precoce da doença. Quem tem histórico familiar deve fazer o exame a partir dos 25 anos. As demais, após os 35, 40. O diagnóstico precoce é fundamental para aumentar as chances de cura.”

6- A localização do implante de silicone pode influenciar no exame? “Sim. Há duas posições básicas de inserção do implante mamário: atrás da glândula mamária e atrás do músculo peitoral. Do ponto de vista radiológico, os implantes colocados atrás do músculo peitoral são os que possibilitam melhor deslocamento posterior com exposição completa da glândula mamária para a realização da mamografia.”

7 – Faço o autoexame em busca de caroços. Não preciso de outros exames: “O autoexame é uma prática que deve ser estimulada. Contudo, ele não é capaz de detectar vários tipos de tumores, especialmente aqueles em fase inicial, com maiores chances de cura.”

fonte:https://www.purepeople.com.br/



Fonte