Médico nega denúncias de abusos sexuais em depoimento; mais de 70 mulheres procuraram a polícia no RS | Rio Grande do Sul

0
25

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.

O cirurgião plástico investigado por abuso sexual em Porto Alegre prestou depoimento à Polícia Civil na tarde desta quinta-feira (15). Segundo a delegada Jeiselaure de Souza, o médico negou as acusações durante as quatro horas de interrogatório.

A RBS TV tentou conversar com os advogados de defesa do investigado, mas não conseguiu contato. Na quarta (14), o médico disse à reportagem que as acusações são “infundadas”.

De acordo com a delegada que apura o caso, 72 pessoas já procuraram a polícia para denunciar o cirurgião.

“O objetivo é justamente para que ele se defenda das acusações que são feitas e, mais do que isso, para que a gente consiga apurar, apresentar alguns elementos, e apurar também algumas contradições, algumas questões que são importantes. Porque o nosso objetivo é buscar a verdade”, disse.

Caso é investigado pela Polícia Civil em Porto Alegre — Foto: Reprodução/RBS TV

A equipe da RBS TV encontrou, pelas redes sociais, mais uma paciente que alega ter sido vítima do cirurgião plástico. A jovem conta que passou seis anos com medo de falar sobre o que aconteceu dentro do consultório do médico, mas resolveu quebrar o silêncio.

“Nem para o meu esposo. Eu não falei por vergonha mesmo. Não faz muito tempo que eu consegui falar sobre isso, porque eu ficava constrangida, porque eu me senti, até um termo assim, uma idiota mesmo”, relatou.

Na época, a jovem morava em Tramandaí, no Litoral Norte do Rio Grande do Sul. Ela buscou o médico para fazer uma aplicação de botox no rosto e uma avaliação de colocação de prótese de silicone.

“Ele pediu para ver meus seios. Até então normal, ele é medico. Só que aí a coisa foi mudando de figura. Ele quis olhar minha bunda, pegou na minha bunda e falou que eu podia colocar e devia colocar silicone na bunda também”, contou a mulher.

A delegada Jeiselaure reforçou a necessidade de que eventuais vítimas denunciem o caso à polícia.

“Que essas mulheres não tenham medo, que saibam que nós estamos aqui para acolher. Porque, às vezes, elas podem ligar e ficar com medo de vir aqui. Nós precisamos dessas vozes, para que essas vozes somadas nos ajudem para instruir este inquérito, formar esta prova”, comentou.

Na terça-feira (13), dois endereços ligados ao médico foram alvo de uma operação, na Zona Norte de Capital. Após a ação, que apreendeu elementos para prosseguir com as investigações, ele prestou depoimento à polícia e foi liberado.

Operação foi deflagrada nesta terça-feira (13), em Porto Alegre — Foto: Reprodução/Polícia Civil



Fonte