Mortes por Covid-19 nos 6 meses de 2021 já superam todo o ano de 2020 na Baixada Santista | Mais Saúde

    0
    7

    Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

    .

    A Baixada Santista, no litoral paulista, registrou até esta quarta-feira (9) 5.517 mortes pela Covid-19 desde o início da pandemia. Foram 29 óbitos nas últimas 24 horas, segundo os boletins epidemiológicos divulgados pelas prefeituras. A região ultrapassou o número de mortes registradas durante todo o ano de 2020, em apenas seis meses de 2021.

    Só neste ano, a Baixada Santista registrou 2.769 mortes causadas pela doença, ante os 2.748 óbitos do ano passado. De março de 2020 – início da pandemia – até dezembro daquele ano, foram registrados 81.393 casos confirmados da doença. De janeiro de 2021 até esta quarta-feira, já são 60.426 confirmações de infectados pelo novo coronavírus.

    O médico infectologista Evaldo Stanislau explicou ao G1 que o maior número de mortes está relacionado, também, ao maior número de casos, mantendo uma proporcionalidade. “Uma coisa está atrelada à outra. Nitidamente, quem pensa que a Covid como problema de saúde pública acabou está muito enganado. O número de casos continua aumentando. Apesar de termos uma vacinação importante na nossa região, ainda temos muita gente não vacinada e vulnerável à infecção”, explica.

    Segundo Stanislau, é muito importante que continue-se trabalhando para uma vacinação rápida e em muitas pessoas. “Também temos que usar e abusar das medidas de prevenção, como o uso de máscara correto e o distanciamento. Temos que testar mais e identificar onde está tendo a circulação do vírus, para intensificar as medidas de controle nessas áreas. Isolar mais as pessoas que testem positivo para evitar a propagação da infecção”, diz.

    O especialista ainda alerta que a aglomeração é um dos fatores que mais facilitam a transmissão do vírus, e que, provavelmente, contribuiu para o aumento de casos e de transmissão das variantes. “Em relação ao número de mortes, certamente reflete a proporcionalidade do número de casos. Eu imagino que a letalidade, ou seja, o quanto das pessoas infectadas morre, está relativamente semelhante, estável. Não é que os pacientes estão mais graves, é que tem mais casos. A gente tem observado que, realmente, há pacientes mais jovens muito graves na UTI”, relata.

    A Baixada Santista registrou 484 novos casos confirmados de Covid-19 nesta quarta-feira. A região soma 141.819 confirmações e 5.517 mortes causadas pela doença. Ao todo, há 3.820 casos suspeitos, 277 óbitos sob investigação e 122.560 pacientes recuperados. O número de pacientes internados com sintomas da doença registrou queda na Baixada, passando de 647 para 624.

    Santos é a cidade com o maior número de internações, mas registrou queda nesta quarta, passando de 555 para 534 pessoas hospitalizadas no município. A taxa geral de ocupação dos 778 leitos de Covid-19 disponíveis está em 69%. Entre os 406 leitos de UTI, a ocupação é de 71%. Na rede SUS, a taxa é de 63%, e na rede privada, 80%.

    Oito dos nove municípios da região registraram novas confirmações da doença nesta quarta. Itanhaém não atualizou o boletim, por ser feriado na cidade. São Vicente registrou o maior número de óbitos, 14 ao todo. Em seguida, Santos somou oito mortes, Praia Grande e Bertioga somaram três cada, e Cubatão registrou um novo óbito. O número de pacientes recuperados ultrapassou a marca de 122,5 mil.

    Confira os casos na Baixada Santista

    Cidade Confirmados Suspeitos Internados Óbitos Óbitos investigados Recuperados
    Santos 45.619 1.411 240 1.708 108 41.896
    Praia Grande 22.461 420 105 753 63 21.639
    Guarujá 21.181 60 110 1.039 55 10.636
    São Vicente 16.795 673 55 904 19 15.521
    Cubatão 13.495 356 15* 434 14 12.833
    Peruíbe 6.533 281 27 190 1 5.493
    Itanhaém 5.836 227 41 240 0 5.562
    Mongaguá 4.529 280 13 113 9 3.862
    Bertioga 5.370 112 18 136 8 5.118
    Total 141.819 3.820 624 5.517 277 122.560

    * O número de internados em Cubatão é referente apenas a pacientes de UTI, conforme é repassado pela prefeitura.



    Fonte