Mulher morre após passar por cirurgia em clínica do bairro Funcionários, em BH

0
14

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.

A Polícia Civil vai investigar a causa da morte de uma mulher de 49 anos, nesta quinta-feira (24), após passar por procedimentos estéticos em uma clínica no bairro Funcionários, na região Centro-Sul de Belo Horizonte.

Uma equipe da instituição chegou ao local primeiro e acionou também a Polícia Militar (PM). Conforme o boletim de ocorrência, os militares chegaram ao estabelecimento por volta das 7h39. Foi realizado o contato com a mãe da paciente, e ela contou que a filha deu entrada no Centro Cirúrgico Integrado (CCI) na manhã dessa quarta-feira (23) para passar por procedimento cirúrgico e, após a cirurgia, foi encaminhada à sala de observação.

Conforme relato da mãe, que a acompanhava, a mulher estava “consciente, tranquila e satisfeita com a cirurgia”. No entanto, por volta das 22h30, ela começou a sentir fortes dores, a médica de plantão foi acionada e deu medicamento para as dores, mas a paciente afirmou que a dor não passava.

Ainda conforme o registro policial, foi relatado pela mãe que a filha ficou inquieta e continuou passando mal. Pela manhã, ela acionou a médica novamente, falou que “a filha estava morrendo” e a paciente foi encaminhada à sala de emergência, onde foram realizadas tentativas de reanimação sem sucesso.

Relatos dos profissionais 

Em conversa com a polícia, o cirurgião contou que fez lipoaspiração e abdominoplastia, sendo que a cirurgia teve início por volta das 9h e terminou às 12h30, dessa quarta. Segundo o profissional, “o procedimento foi realizado dentro da normalidade”. Ainda de acordo com ele, a paciente não apresentava nada de anormal que a impedisse de passar pelo procedimento.

O cirurgião disse que recebeu a informação que a mulher estava passando mal quando ele já estava em casa. A médica de plantão contou aos militares que foi acionada na sala de observação e seguiu os protocolos de atendimento e medicação. Ela percebeu que a mulher estava inquieta e, devido à evolução do estado clínico, a encaminhou para a sala de emergência nesta manhã e realizou manobras de reanimação cardiopulmonar durante uma hora, sem êxito. O óbito foi registrado por volta de 7h17.

Remédio para emagrecer e pressão alta

Ao ver que a filha estava passando mal, a mãe entrou em contato com uma outra filha que foi para a clínica. Durante o registro da ocorrência, ela procurou os militares e contou que o médico havia receitado para a irmã um remédio para emagrecimento que era aplicado na barriga dela. Além disso, a vítima tinha pressão alta e a irmã tinha dito que não era para realizar a cirurgia.

O corpo foi removido e encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) da capital. 

Inquérito

A Polícia Civil informou, por meio de nota, que será instaurado o inquérito e que outras informações serão repassadas em momento oportuno. Veja o comunicado na íntegra:

“A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) informa que irá instaurar um inquérito policial para apurar as circunstâncias da morte da paciente, de 49 anos, na clínica. A PCMG ainda informa que uma equipe de policiais compareceu ao local para os primeiros levantamentos e que o corpo foi removido para o Instituto Médico Legal André Roquette (IMLAR) onde será submetido a exames para apurar a causa da morte. As investigações estão a cargo da 1ª Delegacia de Polícia Civil Centro. Novas informações serão repassadas em momento oportuno. Detalhes sobre a ocorrência deverão ser solicitados à Polícia Militar, responsável pelo registro do fato”.

Posicionamento da clínica 

Por meio de nota, Centro Cirúrgico Integrado / Hospital Dia informou que a instituição tem alvará para a realização de cirurgias plásticas e que Todos os exames prévios foram exigidos pelo profissional, e demonstraram condições plenas de saúde da paciente para se submeter à cirurgia. Veja o comunicado na íntegra: 

“Diante da solicitação de informações sobre o ocorrido, e tendo previamente consultado a família da paciente, temos a informar que:
A instituição se trata de um HOSPITAL DIA, com alvará da Secretaria de Saúde e autorização do Conselho Regional de Medicina para a realização de cirurgias plásticas (documentação anexada). Para tanto, conta com toda a infraestrutura exigida para tais procedimentos, internações e resposta a intercorrências.
O médico que utilizou nossas dependências para a cirurgia de sua paciente é devidamente habilitado, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, e tem anos de experiência no procedimento realizado. Todos os exames prévios foram exigidos pelo profissional, e demonstraram condições plenas de saúde da paciente para se submeter à cirurgia. 
Ao longo de todo o pós-operatório a paciente esteve sob acompanhamento permanente e presencial de uma médica, inclusive durante o pernoite, com constante monitoramento de suas condições de saúde. Além da assistência médica integral, durante todo o tempo a paciente esteve também acompanhada pela enfermagem e por um membro da família. Diante das lamentáveis intercorrências, todas as medidas indicadas foram adotadas imediatamente, sem que conseguissem reverter o quadro e impedir o óbito da paciente.     
Em respeito à família e em atenção às disposições legais aplicáveis, não forneceremos outras informações sobre as circunstâncias do ocorrido, pelo que contamos com a colaboração de todos no respeito ao luto e à privacidade dos envolvidos. 
O Hospital Dia mantém contato com o médico responsável pelo procedimento e com a família da paciente, e expressa seu mais profundo pesar. Aos familiares e amigos, estende suas condolências neste momento tão triste. 
Permanecemos à disposição caso outros esclarecimentos sejam necessários”.

Matéria atualizada às 20h41

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar.



Fonte