Prefeito de Boa Vista fala que governador é ‘mal avaliado’ ao rebater acusação de boicote; Denarium diz que capital ‘demorou a iniciar a vacinação’ | Roraima

    0
    22

    Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

    .

    Arthur Henrique afirmou que o governador apresentou dados falsos e usou de “má fé” ao falar em boicote, desrespeitando-o e também os profissionais da saúde que atuam na linha de frente no combate à pandemia. Agora, o governador cita que o município “demorou a iniciar a vacinação”.

    “Lamento muito que o governador do estado de Roraima tenha me atacado, atacado o meu trabalho e me atacado pessoalmente sobre a condução da imunização em Boa Vista. Ao me atacar, ele ataca também os profissionais de saúde que hoje estão na linha de frente já com dois anos de pandemia realizando o trabalho de imunização em Boa Vista. Não sei se isso [acusação de boicote] tem a ver com a recentes pesquisas de avaliação do governo dele, que está muito mal avaliado. Essas acusações demonstram um total despreparo, eu considero até má-fé, pois foram apresentados dados falsos”.

    Na entrevista que tinha como objetivo tratar do baixo índice de vacinados em Roraima, Antonio Denarium afirmou que a ideia da prefeitura é fazer “politicagem” para “lotar os hospitais do estado” e mencionou até a ex-prefeita Teresa Surita (MDB), braço direito do atual prefeito, nesta suposta estratégia de boicote.

    Após a entrevista de Arthur, assessoria de Denarium divulgou uma nota afirmando que “a prefeitura, mesmo tendo vacina em estoque, por diversas vezes, demorou a iniciar a vacinação por faixa etária ou grupo específico, alegando que não tinha estrutura, não cumprindo as recomendações do Ministério da Saúde.” (Leia nota na íntegra abaixo).

    De acordo o prefeito, a vacinação em Boa Vista segue em ritmo normal, negando o que foi dito por Denarium. Ele apresentou o seguinte dado: das 338 mil pessoas que devem ser vacinadas, 181.880 já receberam as duas doses, o que dá mais da metade de imunizados.

    “Com a imunização completa aqui em Boa Vista, de acordo com esses dados nós temos quase 54% da população [imunizada]. De acordo com a secretaria, já passamos 55% da população completamente imunizada. Se nós analisarmos os mesmos dados do Ministério da Saúde com relação à primeira dose, são 265.668 pessoas vacinadas apenas com a primeira dose, isso é 68%”.

    Na avaliação dele, um dos motivos para o número de vacinados ainda ser considerado baixo é a desinformação e resistência à vacina por parte da população. Ele atribui ao governo essa resistência das pessoas à vacinação.

    “Desde 2020 nós enfrentamos muitas resistências [à vacina]. Nós aqui em Boa Vista enfrentamos muitas resistências inclusive de órgãos públicos como o próprio governo. Ainda em 2020, nós tivemos que acionar a Justiça para que o governo de estado repassasse teste para que fosse possível realizar teste para a população. Nós tivemos, em um momento, que suspender a vacinação por falta de doses, sendo que haviam doses no Governo do Estado”.

    “Realmente temos essa dificuldade, de pessoas que acreditam que a vacina não funciona e eu quero deixar aqui claro que a vacina funciona sim, e os números estão aí para demonstrar isso. O avanço da vacinação em Boa Vista melhorou muito os dados de internação por Covid no estado”, afirma o prefeito de Boa Vista, Arthur Henrique.

    O Governo do Estado de Roraima informa que os dados apresentados pelo governador foram retirados do vacinometro e atualizados na véspera da entrevista, dia 15 de novembro as 15 horas. É importante salientar que os números do momento eram os seguintes relacionados a primeira e segunda dose:

    Tabela de vacinação divulgada pelo Governo de Roraima em nota — Foto: Divulgação/Governo de Roraima

    A população elegível para aplicação da vacina contra a Covid-19 é de 494.839 em todo o estado.

    O Governo de Roraima desde o início da pandemia vem buscando junto ao governo federal vacinas para todos e até mesmo remessas extras para que nunca faltasse vacinas para os 15 municípios do estado.

    Roraima recebeu até a presente data mais de 1 milhão de doses, das quais mais de 690 mil doses já foram entregues aos municípios, salientando que as doses correspondente a primeira aplicação foram entregues na totalidade para todos os munícipios, excetuando o caso de Pacaraima cujo o atendimento é constante em função do alto número migratório.

    O Governo do Estado além da negociação junto ao governo federal faz também grande parte do armazenamento já que grande parte dos municípios e os próprios DSEIs (Saúde Indígena – Governo Federal) não possuem estruturas de armazenamento.

    Outro ponto que merece destaque é que a Prefeitura de Boa Vista tem 79.599 vacinas estocadas, algumas com prazo de vencimento próximo, e nenhum tipo de campanha para intensificar a vacinação e o governo vem defendendo a “busca ativa” ou vacinação “casa a casa”.

    Em relação aos números apresentados pelo prefeito que falou em 80% da população vacinada, esse sim é um número falso, já que para efeito de controle leva-se em consideração que a imunização total deve contemplar a primeira e segunda dose, cujos números desta terça feira 40,09% metade do valor apresentado pelo prefeito de Boa Vista.

    É bom relembrar ao chefe do executivo municipal que no auge da pandemia (ainda na gestão da ex-prefeita Teresa Surita) os postos de saúde que atendiam covid eram apenas três e fechavam nos feriados e finais de semana, além de não funcionarem no horário de almoço, o que provocou a superlotação do Hospital Geral de Roraima.

    Também destaca que a prefeitura, mesmo tendo vacina em estoque, por diversas vezes, demorou a iniciar a vacinação por faixa etária ou grupo específico, alegando que não tinha estrutura, não cumprindo as recomendações do Ministério da Saúde.

    O Governo de Roraima reafirma seu compromisso de trabalhar pelo bem-estar da sua gente e lamenta que interpretações equivocadas e jogos de cena política possam ter como grande penalizado a população. O Governo de Roraima estará sempre aberto a fazer parceria em favor de todos e não de pequenos grupos que usam a doença das pessoas como artifício eleitoral.



    Fonte