“Quanto mais maduro eu fico, mais me gosto”

0
31

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.

Franklin David, que completou 35 anos neste sábado (13/11), conta que já teve medo de envelhecer, mas hoje não pensa mais nisso.

“Quanto mais maduro eu fico, mais me gosto, mais me sinto preparado para esse momento. E acho que a melhor maneira de envelhecer é estar bem de dentro para fora, porque isso vai refletir no corpo, no externo”, filosofa.

Hoje eu vejo que a velhice é um presente, o pico máximo de conhecimento que a gente pode ter. Existe uma valorização da juventude, mas envelhecer também tem seu lado bom. Quero chegar bem como meu pai chegou aos 92 anos. Eu me inspiro no Paulo Zulu, ele tem um estilo de vida bem interessante, quase 60 anos e o cara continua um galã.

O apresentador, que sempre se mostrou com boa aparência, mesmo em uma época que boa parte dos homens tinham preconceitos com tratamentos estéticos, revela que aprendeu na marra a se cuidar mais, quando começou a carreira de modelo.

“Com o tempo foi que o cuidado virou algo natural e que fazia parte do meu trabalho. Tinha quem falasse, fizesse piada por eu me cuidar, mas quem tinha contas a pagar e precisava ficar bem nas campanhas era eu, então eu não dava a mínima”, riu

Hoje, vejo muitas dessas pessoas correndo atrás do prejuízo. Acho que a parte que mais me considero vaidoso, é na hora de me vestir. Eu gosto muito de moda, a carreira como modelo trouxe isso.

Hoje em dia, Franklin mantém alguns cuidados básicos com a pele para que envelheça bem, como o uso indispensável de protetor solar, usar sabonete de combate à oleosidade no rosto, e claro, manter uma boa alimentação e se hidratar com água. Ele ainda ressalta que se algo o incomodasse, faria plásticas, mas que não fossem cirurgias muito invasivas.

“Se tivesse algo que me incomodasse muito, eu faria plástica, como foi o caso do transplante capilar. Mas, confesso que se fosse pra fazer uma lipo, rinoplastia ou outras cirurgias mais agressivas, eu teria medo, porque oferecem riscos de morte. Sou medroso nessa parte, e também há quem diga que o pós operatório é puxado, então no que diz respeito a esses procedimentos, eu prefiro a dieta e treino”, explica.

Franklin declara que nunca teve medo de envelhecer sozinho, mas fica feliz de ter encontrado alguém para dividir a vida.

“Eu sempre fui convicto de que envelheceria sozinho, pois até o ano passado eu nunca tinha namorado ninguém que me fizesse querer construir uma família. E o meu pensamento era: ‘antes só do que mal acompanhado’. Mas aí, conheci o Vitor e aconteceu a parceria no amor, no profissional e na vida”, finaliza.



Fonte