Saiba como denunciar casos de lesão corporal decorrente de procedimentos estéticos

0
31

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.

Vítimas de lesão corporal por causa de procedimentos estéticos devem denunciar os casos por meio do 190 ou 181, pelo site da PC-AM ou cpmparecer na sede da Decon. Foto: Divulgação

Consumidores que foram vítimas de lesão corporal decorrentes de procedimentos estéticos devem denunciar esses casos e os indivíduos que se passam por profissionais de saúde e estética corporal, ou aqueles que sejam identificados exercendo ilegalmente a profissão. O alerta é da Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), por meio da Delegacia Especializada em Crimes Contra o Consumidor (Decon).

De acordo com o delegado Eduardo Paixão, titular da Decon, exercer atividades na área da saúde e estética corporal sem formação ou exercê-la de forma irregular caracteriza-se como crime previsto no Código Penal (CP), no artigo 282 ou no artigo 47 da Lei nº 3688 /41.

“Isso significa, também, que a prática comum nas academias de atividades físicas de venda de testosterona, nandrolona, stan, entre outros anabolizantes, configura-se como crime, já que todos estes exigem a venda sob prescrição médica. Desta forma, por exemplo, se o vendedor for o personal trainer, ele estará sujeito a todas as responsabilidades criminais”, explica o delegado.

Vigilância Sanitária

Conforme o titular, procedimentos realizados em local sem higiene, que apenas possuem autorização para realizar depilações, massagens e maquiagens e que, às vezes, geram lesão corporal, até mesmo àqueles feitos por um profissional regular, podem responder pelo ato criminoso que o Código Penal tipifica no artigo 129, no qual o exame de corpo de delito na vítima confirmará a procedência do material e a gravidade da lesão ao consumidor. Nesses casos, também é importante que a vítima faça sua denúncia na Vigilância Sanitária, sempre com provas em mãos.

O delegado Eduardo Paixão, titular da Decon, informa que exercer atividades na área da saúde e estética corporal sem formação ou exercê-la de forma irregular caracteriza-se como crime previsto no Código Penal. Foto: Divulgação/Erlon Rodrigues/PC-AM

Esferas criminais e civis

A autoridade policial ressalta que as esferas criminais e civis são independentes, portanto, os indivíduos podem ser responsabilizados nas duas esferas. E em casos de processos administrativos no conselho profissional, a pessoa está sujeita à tripla responsabilização.

“É necessário estar atento para os riscos da cirurgia estética com profissional não habilitado e do preço abaixo da média de mercado. Lembre-se que sua saúde é mais importante que o padrão de beleza que ninguém alcança”, afirma a autoridade policial.

Silicone industrial

O titular reforça também que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proíbe o uso de silicone industrial nos procedimentos estéticos, pois tem como finalidade para limpeza entre outras utilidades. O desvio de sua correta utilização, servindo como material para cirurgia plástica, por exemplo, é considerado crime e causa sérios riscos à saúde do paciente que sofre a aplicação desse produto para fins estéticos.

Denúncias

Para denunciar, é importante que no momento de formalizar a denúncia por lesão corporal ou de outras circunstâncias a vítima/consumidor leve à unidade policial as provas por áudio, mensagens ou vídeo da prática ilegal; solicite exame de corpo de delito; registre denúncia no conselho de classe contra o falso ou mau profissional; registre a denúncia na Vigilância Sanitária, em casos de péssimas as condições sanitárias.

O delegado Eduardo Paixão solicita a quem estiver passando por essa situação, que formalize as denúncias por meio dos números 190 ou 181, o disque-denúncia da SSP-AM, pelo número da Especializada (92) 3214-2264, ou pelo site da Polícia Civil (www.delegaciainterativa.am.gov.br).

Caso prefira, pode comparecer pessoalmente na Decon, que fica localizada na rua Desembargador Felismino Soares, 155, bairro Colônia Oliveira Machado, zona Sul de Manaus.



Fonte