Seis mitos e verdades sobre a aplicação de botox nos olhos | Médicos de Olhos S.A

0
55

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.

Se você nunca pensou em aplicar botox, ainda vai pensar. O Brasil é o segundo país com maior procura pelo procedimento, que utiliza a toxina botulínica para melhorar o aspecto de rugas e linhas de expressão. A informação é de um levantamento feito pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica e vem ao encontro do movimento observado em clínicas de estética em 2020. Desde o início da pandemia da covid-19, a procura por procedimentos estéticos aumentou em 50%, segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP). Na Médicos de Olhos S.A, a equipe de oftalmologistas também viu o interesse pelo botox crescer, e isso vale um alerta da Dra. Eliandra Machado da Silva (CRM37707 | RQE 23278): “Com a popularização do procedimento, muitos profissionais que não são médicos estão aplicando a toxina botulínica. Alguns não possuem sequer regulamentação dos seus conselhos para poder prescrever antibióticos ou lidar com complicações”.

Essa não é a única condição: apesar de ser uma intervenção simples, a aplicação de toxina botulínica tem suas particularidades. A Dra. Eliandra tira algumas dúvidas dos pacientes em uma lista de mitos e verdades sobre botox.

1. O botox pode ser aplicado em pacientes jovens.

Verdade. Não existe uma idade recomendada – no geral, entre os 25 e os 30 anos, homens e mulheres percebem o surgimento de linhas de expressão no rosto. “A aplicação pode ser iniciada assim que os primeiros sinais de rugas dinâmicas forem notados”, diz a oftalmologista da Médicos de Olhos S.A.

2. O procedimento de botox não dura para sempre.

Verdade. Além da aplicação preventiva, cada toxina botulínica requer um olhar atento do médico oftalmologista. “A diluição e o tempo de duração são diferentes, então vale pedir ao médico para ver o frasco. São recomendadas duas aplicações anuais para prevenir as rugas estáticas”, explica a Dra. Eliandra. A duração média do procedimento varia entre quatro e seis meses, dependendo do paciente.

3. Posso fazer a aplicação em clínicas de estética.

Mito. “O paciente tem que saber se o profissional que o atende é médico e/ou se tem qualificação para realizar o procedimento”, destaca a oftalmologista da Médicos de Olhos S.A. A qualificação do profissional que faz o botox é essencial para garantir bons resultados: há técnicas específicas de aplicação e de diluição do produto.

4. O botox pode paralisar os movimentos dos olhos.

Verdade. “Cada grupo muscular tem uma técnica específica de injeção, e precisamos nos atentar para a difusão da toxina para evitar o comprometimento de músculos da região ocular”, ressalta Eliandra. E, mesmo sendo uma intervenção simples, há outras complicações envolvidas com o botox na área dos olhos: “A intercorrência mais relatada e mais temida é a ptose palpebral, que é a queda da pálpebra superior. Ela é decorrente da difusão da toxina para o músculo levantador da pálpebra”, alerta a oftalmologista. Outras complicações comuns são a queda de supercílio, a dificuldade em piscar e manter o tônus muscular local, a proeminência de bolsas e edema inferior e a diplopia, visão dupla decorrente da difusão da toxina para o músculo reto lateral.

5. Qualquer pessoa adulta pode fazer botox.

Mito. Como acontece com todas as intervenções estéticas, até mesmo as não-cirúrgicas, é fundamental avaliar o quadro clínico do paciente. No caso da toxina botulínica, há contraindicações para pessoas com hipersensibilidade conhecida a fórmula, pacientes com distúrbios de transmissão neuromuscular como miastenia graves, com infecção no local da injeção. Gestantes e lactantes também devem deixar o procedimento para outro período.

6. O botox pode ser usado em tratamentos oftalmológicos.

Verdade. Além do uso estético, o botox é um aliado da oftalmologia no tratamento de doenças como o entrópio, quando as pálpebras inferiores ficam viradas para dentro; e em alguns tipos de estrabismo e blefaroespasmos, que são movimentos involuntários das pálpebras. “O médico oftalmologista é especialista na região dos olhos e consequentemente está muito familiarizado com todas as estruturas perioculares, trazendo muito mais segurança na hora da aplicação e reduzindo muito as chances de complicações”, finaliza a profissional da Médicos de Olhos S.A.

Diretor Técnico: Dr. Hamilton Moreira – CRM 9388 | RQE 2872



Fonte