Sintomas de trombose pós-cirurgico: saiba quais são!

0
170

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.

Avaliação pré-cirúrgica e cuidados pós-operatórios reduzem chances de desenvolver trombose

A trombose consiste na formação de um coágulo sanguíneo em uma ou mais veias grandes dos membros inferiores. Por se tratar de uma complicação grave, é fundamental conhecer os sintomas de trombose pós-cirurgia.

O coágulo pode bloquear o fluxo sanguíneo, causar inchaço e dor nas pernas e coxas. O maior risco relacionado à trombose é se o coágulo entrar na corrente sanguínea, quadro chamado de embolia.

Nesses casos, se o coágulo chegar a locais como o cérebro, coração ou pulmões pode desencadear graves quadros de saúde.

Quais os fatores de risco da trombose?

Muitas pacientes interessadas em realizar uma cirurgia plástica têm receio do procedimento justamente pelas complicações, dentre elas a trombose.

No entanto, a trombose pode ocorrer em qualquer procedimento cirúrgico, inclusive em técnicas menos invasivas.

Na cirurgia plástica, os procedimentos que apresentam maior risco incluem lipoaspiração, abdominoplastia, mamoplastia, lifting facial, rinoplastia, lipoescultura e colocação de próteses.

Por tais razões, em qualquer pré-operatório são solicitados exames que asseguram se a paciente está bem de saúde. Ainda assim, alguns fatores de risco da trombose podem elevar as chances de desenvolver a condição, como:

  • pacientes com mais de 60 anos;
  • pessoas com histórico de acidente vascular cerebral (AVC);
  • uso de anestesia geral ou peridural;
  • obesidade;
  • tabagismo;
  • uso de pílula anticoncepcional ou outras terapias hormonais;
  • portadores do sangue do tipo A;
  • doenças cardíacas ou vasculares, como insuficiência cardíaca, varizes ou problemas no sangue como trombofilia.

Portanto, pacientes que se enquadram nessas situações precisam ficar mais atentas ao pré-operatório e também aos sintomas de trombose pós-cirurgia plástica.

Como evitar a trombose após a cirurgia plástica?

Apesar dos riscos da trombose e da gravidade da condição, existem formas de reduzir as chances de desenvolver essa complicação no pós-operatório da cirurgia plástica. Conheça os principais cuidados a seguir!

1. Caminhar assim que possível

Ainda que muitas cirurgias recomendem o repouso absoluto, ele deve ser interrompido assim que a paciente não sentir dor e não apresentar riscos de abertura do corte cirúrgico.

O repouso continuado aumenta as chances de desenvolver trombos, de forma que a recomendação pós-cirúrgica é fazer pequenas caminhadas, dentro de casa mesmo, para estimular a circulação sanguínea.

2. Usar meia elástica

As meias calças de compressão ou cintas compressoras são sempre indicadas após cirurgias plásticas por ajudar na cicatrização e também reduzir as chances de trombose.

As meias elásticas podem ser usadas entre 10 e 20 dias após a cirurgia e melhoram a circulação sanguínea devido a compressão.

Em pacientes com maior risco de desenvolver trombose, o cirurgião plástico pode recomendar a meia elástica de alta compressão.

3. Elevar as pernas

Manter as pernas elevadas é sempre uma recomendação para pacientes com problemas de circulação venosa ou mais suscetíveis à trombose após a cirurgia plástica.

Essa técnica ajuda no retorno do sangue ao coração, o que previne o acúmulo de sangue nas pernas e pés e reduz o inchaço nos membros inferiores.

4. Utilizar remédios anticoagulantes

Em alguns casos, o médico responsável também pode prescrever o uso de medicamentos anticoagulantes que previnem a formação de coágulos ou trombos.

Esse tipo de remédio só deve ser tomado com a prescrição do médico e costuma ser indicado em caso de procedimentos mais longos ou com repouso demorado.

5. Fazer massagens nas pernas

A massagem pode ser uma aliada para prevenção da trombose no pós-operatório por estimular o retorno venoso e dificultar o acúmulo de sangue e formação de coágulos.

Destaca-se que apesar de a drenagem linfática ser frequentemente indicada após cirurgias plásticas, essa massagem não é recomendada para pacientes com risco vascular, como a trombose.

Portanto, a realização dessa técnica deve ser indicada pelo especialista responsável após uma avaliação detalhada do quadro clínico.

Quais os sintomas de trombose pós-cirurgia?

Conhecer os sintomas de trombose pós-cirurgia é fundamental para buscar ajuda médica imediata caso haja alguma anormalidade na recuperação.

A trombose é, muitas vezes, assintomática. No entanto, alguns indícios podem ser identificados em certos casos, como:

  • dor;
  • aumento da temperatura da perna;
  • vermelhidão, súbita ou acompanhada de inchaço;
  • rigidez da musculatura na perna na qual se formou o trombo.
  • inchaço na perna;
  • respiração curta e rápida e palpitações levando ao desmaio em alguns casos;
  • tosse com sangue;
  • dor no peito ou nas costas que não sejam comuns à paciente.

Ao identificar qualquer desses sintomas de trombose pós-cirurgia é fundamental que a paciente busca auxílio médico imediato, pois o trombo pode agravar-se caso se desprenda e cause uma embolia.

O acompanhamento médico é indispensável no pré e pós-operatório, assim como o cumprimento e todas as recomendações prescritas, em especial para pacientes com fatores de risco favoráveis ao surgimento da condição.

Portanto, conhecendo os sintomas de trombose pós-cirurgia é essencial para avaliar e monitorar a evolução da recuperação após um procedimento cirúrgico.

 

Agende agora a sua consulta!

 

Avaliação pré-cirúrgica e cuidados pós-operatórios reduzem chances de desenvolver trombose

A trombose consiste na formação de um coágulo sanguíneo em uma ou mais veias grandes dos membros inferiores. Por se tratar de uma complicação grave, é fundamental conhecer os sintomas de trombose pós-cirurgia.

O coágulo pode bloquear o fluxo sanguíneo, causar inchaço e dor nas pernas e coxas. O maior risco relacionado à trombose é se o coágulo entrar na corrente sanguínea, quadro chamado de embolia.

Nesses casos, se o coágulo chegar a locais como o cérebro, coração ou pulmões pode desencadear graves quadros de saúde.

Quais os fatores de risco da trombose?

Muitas pacientes interessadas em realizar uma cirurgia plástica têm receio do procedimento justamente pelas complicações, dentre elas a trombose.

No entanto, a trombose pode ocorrer em qualquer procedimento cirúrgico, inclusive em técnicas menos invasivas.

Na cirurgia plástica, os procedimentos que apresentam maior risco incluem lipoaspiração, abdominoplastia, mamoplastia, lifting facial, rinoplastia, lipoescultura e colocação de próteses.

Por tais razões, em qualquer pré-operatório são solicitados exames que asseguram se a paciente está bem de saúde. Ainda assim, alguns fatores de risco da trombose podem elevar as chances de desenvolver a condição, como:

  • pacientes com mais de 60 anos;
  • pessoas com histórico de acidente vascular cerebral (AVC);
  • uso de anestesia geral ou peridural;
  • obesidade;
  • tabagismo;
  • uso de pílula anticoncepcional ou outras terapias hormonais;
  • portadores do sangue do tipo A;
  • doenças cardíacas ou vasculares, como insuficiência cardíaca, varizes ou problemas no sangue como trombofilia.

Portanto, pacientes que se enquadram nessas situações precisam ficar mais atentas ao pré-operatório e também aos sintomas de trombose pós-cirurgia plástica.

Como evitar a trombose após a cirurgia plástica?

Apesar dos riscos da trombose e da gravidade da condição, existem formas de reduzir as chances de desenvolver essa complicação no pós-operatório da cirurgia plástica. Conheça os principais cuidados a seguir!

1. Caminhar assim que possível

Ainda que muitas cirurgias recomendem o repouso absoluto, ele deve ser interrompido assim que a paciente não sentir dor e não apresentar riscos de abertura do corte cirúrgico.

O repouso continuado aumenta as chances de desenvolver trombos, de forma que a recomendação pós-cirúrgica é fazer pequenas caminhadas, dentro de casa mesmo, para estimular a circulação sanguínea.

2. Usar meia elástica

As meias calças de compressão ou cintas compressoras são sempre indicadas após cirurgias plásticas por ajudar na cicatrização e também reduzir as chances de trombose.

As meias elásticas podem ser usadas entre 10 e 20 dias após a cirurgia e melhoram a circulação sanguínea devido a compressão.

Em pacientes com maior risco de desenvolver trombose, o cirurgião plástico pode recomendar a meia elástica de alta compressão.

Trombose no pós-cirurgico

3. Elevar as pernas

Manter as pernas elevadas é sempre uma recomendação para pacientes com problemas de circulação venosa ou mais suscetíveis à trombose após a cirurgia plástica.

Essa técnica ajuda no retorno do sangue ao coração, o que previne o acúmulo de sangue nas pernas e pés e reduz o inchaço nos membros inferiores.

4. Utilizar remédios anticoagulantes

Em alguns casos, o médico responsável também pode prescrever o uso de medicamentos anticoagulantes que previnem a formação de coágulos ou trombos.

Esse tipo de remédio só deve ser tomado com a prescrição do médico e costuma ser indicado em caso de procedimentos mais longos ou com repouso demorado.

5. Fazer massagens nas pernas

A massagem pode ser uma aliada para prevenção da trombose no pós-operatório por estimular o retorno venoso e dificultar o acúmulo de sangue e formação de coágulos.

Destaca-se que apesar de a drenagem linfática ser frequentemente indicada após cirurgias plásticas, essa massagem não é recomendada para pacientes com risco vascular, como a trombose.

Portanto, a realização dessa técnica deve ser indicada pelo especialista responsável após uma avaliação detalhada do quadro clínico.

Quais os sintomas de trombose pós-cirurgia?

Conhecer os sintomas de trombose pós-cirurgia é fundamental para buscar ajuda médica imediata caso haja alguma anormalidade na recuperação.

A trombose é, muitas vezes, assintomática. No entanto, alguns indícios podem ser identificados em certos casos, como:

  • dor;
  • aumento da temperatura da perna;
  • vermelhidão, súbita ou acompanhada de inchaço;
  • rigidez da musculatura na perna na qual se formou o trombo.
  • inchaço na perna;
  • respiração curta e rápida e palpitações levando ao desmaio em alguns casos;
  • tosse com sangue;
  • dor no peito ou nas costas que não sejam comuns à paciente.

Ao identificar qualquer desses sintomas de trombose pós-cirurgia é fundamental que a paciente busca auxílio médico imediato, pois o trombo pode agravar-se caso se desprenda e cause uma embolia.

O acompanhamento médico é indispensável no pré e pós-operatório, assim como o cumprimento e todas as recomendações prescritas, em especial para pacientes com fatores de risco favoráveis ao surgimento da condição.

Portanto, conhecendo os sintomas de trombose pós-cirurgia é essencial para avaliar e monitorar a evolução da recuperação após um procedimento cirúrgico.

 

Agende agora a sua consulta!

 

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica – SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).
http://www.lucianapepino.com.br/

Dra. Luciana Pepino

Formada em 1996 pela Faculdade de Ciências Médica de Minas Gerais em Belo Horizonte, fiz minha especialização em Cirurgia Geral por 2 anos e Cirurgia Plástica por mais 3 anos no Hospital São Universitário São José, também em Belo Horizonte (MG).



Fonte