Sistema Imune e Sistema Linfático – Anatomia Descritiva Animal 1

0
17

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.
distal do membro; Sua zona de tributação também se prolonga 
na face lateroventral do tórax, incluindo as glândulas mamárias localizadas nessa 
região, o que deve ser levado em consideração quando tumores mamários forem 
removidos cirurgicamente . Os vasos linfáticos eferentes se abrem na parte terminal 
do ducto linfático ou diretamente nas veias na abertura torácica; 
● LINFONODOS DO TÓRAX 
-paredes torácicas são drenadas por: 
1. Linfocentro torácico dorsal - compreende dois grupos de linfonodos: os 
linfonodos intercostais e os linfonodos aorticotorácicos; se situam na parte superior 
de alguns espaços intercostais, e se espalham na extensão da aorta, respectivamente; 
Sua quantidade é inconstante de uma espécie para outra; 
Ruminantes costumam apresentar linfonodos hemais nessa região. Linfonodos 
hemais possuem uma arquitetura semelhante à dos linfonodos, sendo que a 
diferença é que seus seios não contêm linfa, e sim sangue, e estão conectados a vasos 
sanguíneos ao invés de vasos linfáticos; drena o teto do tórax e envia seus vasos 
eferentes para o ducto torácico; 
2. Linfocentro torácico ventral - situam-se dorsalmente ao esterno e lateralmente 
ao músculo transverso do tórax; se agrupam em um conjunto cranial em todas as 
espécies domésticas, sendo que os ruminantes e alguns gatos possuem um segundo 
conjunto caudal de linfonodos torácicos ventrais; drena a parte ventral da parede 
torácica e envia seus vasos linfáticos eferentes diretamente para o ducto torácico, ou 
então para os linfonodos mediastinais ; 
-Os órgãos no interior da cavidade torácica são drenados por: 
● Linfocentro mediastinal - compreende os linfonodos mediastinais cranial, 
médio e caudal, os quais se posicionam nas partes de mesmo nome do mediastino; O 
conjunto caudal inexiste no cão e no gato , embora em 25% dos gatos haja um linfonodo 
frênico próximo ao forame da veia cava; Em ruminantes, os linfonodos mediastinais 
caudais formam uma massa relativamente grande na face dorsal do esôfago; O aumento 
desses linfonodos pode causar obstrução do esôfago nessas espécies. A zona de tributação 
compreende os órgãos no interior do mediastino, incluindo o coração, a traqueia, o esôfago e 
o timo. Ele recebe vasos linfáticos eferentes de outros linfonodos torácicos, do diafragma e 
dos órgãos abdominais imediatamente caudais ao diafragma; 
● Linfocentro bronquial - compõe-se dos linfonodos traqueobronquiais situados 
sobre a bifurcação da traquéia; estão agrupados em conjuntos direito, médio e esquerdo de 
linfonodos; Nos ruminantes e no suíno , os quais apresentam um brônquio traqueal, há um 
grupo adicional traqueobronquial cranial ; Pequenos linfonodos pulmonares 
podem estar presentes dentro do tecido pulmonar juntamente aos brônquios principais >>> 
Esses linfonodos são importantes para a drenagem linfática dos pulmões; 
No equino, o grupo traqueobronquial esquerdo é particularmente importante devido à 
patogênese da paralisia do nervo laríngeo recorrente esquerdo. Supõe-se que a inflamação 
desses linfonodos possa se espalhar para o nervo contíguo ou que o aumento dos linfonodos 
possa danificar o nervo mecanicamente, e assim levar à condição clínica de hemiplegia 
laríngea (ronco ou chiado); 
● Linfocentro torácico dorsal; 
● Linfocentro torácico ventral; 
● LINFONODOS DO ABDÔMEN 
-cavidade abdominal e seus órgãos são drenados por vários grupos de linfonodos na extensão 
da aorta abdominal, localizados na região lombar e na origem das artérias intestinais ; 
-Linfonodos adicionais são encontrados próximos aos órgãos que drenam; 
-Os três linfocentros associados à drenagem das vísceras abdominais possuem zonas 
tributárias que correspondem de modo geral às artérias celíaca, mesentérica cranial e 
mesentérica caudal; 
-Os vasos eferentes desses centros convergem para formar a cisterna do quilo; 
1. Linfocentro Lombar - compõe-se dos linfonodos lombares aórticos e 
renais ; Os linfonodos lombares aórticos posicionam-se de cada lado da aorta, entre 
os processos transversos das vértebras lombares; Linfonodos hemais também 
podem estar presentes no mesmo local em ruminantes; 
Os linfonodos lombares recebem vasos linfáticos aferentes do teto abdominal e dos 
vasos eferentes dos linfonodos situados mais caudalmente; A drenagem linfática do 
linfocentro lombar é recebida pela cisterna do quilo; Os linfonodos renais estão 
associados aos vasos renais e drenam os rins; 
2. Linfocentro celíaco - compõe-se dos linfonodos localizados na região irrigada pela 
artéria celíaca, ou seja, dos linfonodos celíacos, esplênicos, gástricos e 
pancreaticoduodenais ; 
Em ruminantes, os linfonodos gástricos subdividem-se em ruminais, 
reticulares, omasais e abomasais; Sua zona tributária é indicada por sua 
nomenclatura. Os vasos eferentes formam o tronco linfático celíaco, uma das raízes 
da cisterna do quilo; 
3. Linfocentro mesentérico cranial - composto pelos linfonodos mesentérico 
cranial, jejunal, cecal e cólico; apresentam variações consideráveis entre as 
espécies quanto a quantidade, forma e posição; drenam o intestino delgado e o 
intestino grosso, prolongando-se distalmente até o colo transverso; Seus vasos 
eferentes convergem para formar o tronco mesentérico cranial , o qual se une 
com o tronco mesentérico caudal no tronco intestinal antes de se unir à 
cisterna do quilo. 
4. Linfocentro mesentérico caudal - compõe-se dos linfonodos mesentéricos 
caudais , os quais recebem a linfa do colo descendente do intestino; Seus vasos 
eferentes formam o tronco mesentérico caudal , o qual se abre para a cisterna do 
quilo; 
● LINFONODOS DA CAVIDADE PÉLVICA E DO MEMBRO PÉLVICO 
-As zonas tributárias dos linfonodos da pelve costumam coincidir com os associados à parede 
abdominal; 
A importância clínica dessa ocorrência se traduz na remoção de tumores das glândulas 
mamárias em cães; 
1. Linfocentro iliosacral - compreende: 
● Linfonodos ilíacos mediais > grupo principal do linfocentro iliossacral e 
posicionam-se na ramificação final da aorta; são os centros de filtração secundários 
através dos quais flui a linfa eferente dos outros



Fonte