Tipos de pele e seus cuidados para Rinoplastia

0
105

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.

As diferenças entre os seres humanos, como os tipos de pele, a variedade de cores, tamanhos e aparência determinam a que etnia e grupos aqueles indivíduos pertencem. Essa variabilidade é muito importante para a realização de procedimentos estéticos, como a rinoplastia.

Saber seu tipo de pele pode ser fundamental no momento de escolher um cirurgião plástico, definir qual procedimento será feito e como será realizado. Peles finas e grossas são o tipo mais comum. Isso é avaliado por profissionais antes da rinoplastia.

Dito isso, saiba qual é seu tipo de pele, como identificar e quais são os passos e orientações para quem realizou ou irá realizar uma rinoplastia.

Como saber meu tipo de pele para fazer rinoplastia

Saber seu tipo de pele pode facilitar na hora de realizar uma rinoplastia. | Foto: Freepik.

Tipos de Pele e como podem afetar sua rinoplastia

Para a realização de uma rinoplastia, um cirurgião leva em consideração dois fatores determinantes: a cartilagem e a estrutura óssea da face. A pele, contudo, também pode ser um fator muito importante, pois seus tipos influenciam em aspectos como a condução da cirurgia e a recuperação do paciente.

Por isso, saber qual seu tipo de pele antes de realizar uma rinoplastia ou outros procedimentos na face é fundamental. Mas como saber o tipo de pele? A seguir, confira:

Pele fina

Peles finas podem resultar em um pós-operatório mais fácil, com poucos hematomas e o resultado é explícito em até 12 meses.

Pele grossa

As peles grossas, no entanto, são mais rígidas de serem trabalhadas e por isso o pós-operatório pode ser doloroso e incômodo. Além disso, o resultado da rinoplastia pode demorar a aparecer, em até 36 meses.

Diferenças

As principais vantagens e desvantagens dos tipos de pele são:

  • Pele grossa: Melhor camuflagem, inchaço prolongado.
  • Pele fina: Pouca camuflagem, inchaço mais curto.

Veja: rinoplastia como é feita?

Para compreender como o tipo de pele pode influenciar em procedimento estético no nariz, é necessário saber como é feito rinoplastia.

A rinoplastia é um procedimento estético utilizado para remodelar a estrutura nasal, a partir de alterações na cartilagem e na estrutura óssea do nariz. Durante o procedimento, o cirurgião pode quebrar em pequenas partes o nariz e remodelá-lo ou utilizar a cartilagem como base de seu trabalho, utilizando os ligamentos nasais como ponto de partida.

Além disso, esse procedimento possui dois tipos de processo: a rinoplastia estruturada e a redutora. Elas se diferem nos seguintes aspectos:

Estruturada

Nesse procedimento, o cirurgião plástico rompe os ligamentos nasais, e as estruturas óssea e cartilaginosa são moldadas dando ao nariz um novo formato e aspecto. Após este processo, os ligamentos são reconstruídos, o que impossibilita alterações posteriores à cirurgia. A rinoplastia estruturada possui um baixo índice de complicações, uma das razões para ser a mais recomendada pelos profissionais da área.

Redutora

Este procedimento diminui a estrutura nasal por meio da descontinuidade dos ligamentos nasais, modelagem óssea e, se necessário, a retirada de cartilagem e ossos, para ajustar o nariz ao formato desejado. Devido aos riscos, essa cirurgia é pouco recomendada por cirurgiões.

Por ser uma cirurgia que irá manusear diretamente a pele, antes de uma rinoplastia, o cirurgião pode orientar que sua paciente consulte um dermatologista. Além disso, pode ser indicada uma limpeza de pele profunda até 15 dias antes do procedimento estético.

Rinoplastia: como saber meu tipo de pele?

O tipo de pele de cada pessoa, como sua espessura, será indicado pelo cirurgião plástico. Ele analisará seu histórico clínico, levando em consideração alguns fatores como acne, densidade dos poros, oleosidade e a presença de cravos e espinhas.

As pacientes, no entanto, podem descobrir seus tipos de pele anteriormente, com uma pequena avaliação feita em casa.

Pele grossa

Peles grossas, as mais difíceis para a realização de uma rinoplastia, possuem como características principais os poros abertos e visíveis, muita oleosidade no local, glândulas sebáceas em alta quantidade, asas nasais mais largas e firmes, pele mais densa ao toque.

Pele fina

A pele fina, por sua vez, possui poros pouco aparentes, a pele da região nasal é mais seca, poucas glândulas sebáceas, abas nasais menores e maleáveis e pele menos densa ao toque.

Como saber se a pele do nariz é grossa?

Para identificar se a pele do nariz é grossa, basta uma análise prévia da região nasal, que pode ser feita pela paciente em sua casa. Peles grossas possuem características bem específicas e são fáceis de serem identificadas.

Poros abertos e visíveis, região nasal oleosa, muitas glândulas sebáceas, asas nasais largas e firmes e pele grossa ao toque são as características visíveis. Mulheres entre 18 e 40 anos, contudo, possuem, em sua maioria, peles finas, com pouca oleosidade e facilmente maleáveis.

Mulheres afrodescendentes, no entanto, podem ter uma pele grossa ou intermediária, pois sua constituição nasal é distinta ao de mulheres caucasianas e asiáticas.

Uma pele grossa, entretanto, não impede que uma rinoplastia seja realizada, ela influenciará na dificuldade do procedimento, para a reconstrução da estrutura nasal e implicará em um pós-operatório mais dolorido, com hematomas e um resultado que poderá aparecer após 24 meses (2 anos).

Como cuidar da pele após a rinoplastia?

O pós-operatório de uma rinoplastia não é dos mais complexos. Mas alguns cuidados são necessários para que a recuperação seja completa. Os cuidados com a pele, região mais afetada pela intervenção cirúrgica, estão entre os mais importantes, principalmente nos dias que seguem após a rinoplastia.

Sol

Nesse período é indicado que a paciente evite expor a região afetada ao sol, sendo indicado o uso de protetor solar (fator 30 ou 50) e acessórios como chapéus, bonés, óculos de sol, entre outros que protejam da exposição solar. O ideal, no entanto, é não sair de casa nos primeiros dias, seguindo as orientações médicas.

Oleosidade

Peles do tipo oleosas podem apresentar um quadro maior de oleosidade, isso porque os curativos dificultam a limpeza da região e, além disso, o procedimento interfere na drenagem da pele. Outro detalhe é a descamação da pele, que pode ocorrer no período de recuperação, para recuperar esse quadro, no entanto, as pacientes devem seguir orientações médicas, pois cremes hidratantes podem irritar a região danificada.

Produtos

Por isso, produtos para cuidados com a pele são indicados para o pós-operatório, levando em consideração as características da pessoa a ser operada. Esses aconselhamentos são feitos, em sua maioria, por dermatologistas, que devem acompanhar todo o procedimento. Em alguns casos, o uso do Roacutan é indicado para pacientes com peles muito oleosas e grossas.

Além disso, a hidratação de todo o corpo deve ser feita regularmente, para isso é necessário ingerir, no mínimo, 2L de água por dia.

Quanto tempo depois da rinoplastia pode fazer limpeza de pele?

A limpeza de pele é indicada por dermatologistas para o pré-operatório, como uma garantia de que a cútis estará limpa e saudável para a cirurgia. Mulheres que desejem fazer esse procedimento após a rinoplastia devem aguardar a recuperação e cicatrização da área nasal.

O ideal é que a limpeza de pele seja feita 6 meses após a rinoplastia, tempo suficiente para que a região tenha se recuperado do procedimento e que o processo de cicatrização tenha sido concluído.

Uma avaliação de um dermatologista, no entanto, pode ser fundamental antes de realizar qualquer tipo de procedimento, seja cirúrgico ou estético, na pele após a rinoplastia.

Todo o processo para a rinoplastia, seja a descoberta de seu tipo de pele, as orientações cirúrgicas e procedimentos futuros devem ser acompanhados por especialistas e cada caso deve ser analisado, garantindo a saúde dos operados.

O Dr. Renatto Bittar pode te ajudar nisso. Clique aqui e marque, agora mesmo, a sua consulta!

___________________________
Por Luiza Nascimento – Fala! PUC-SP



Fonte