Tradio do bisturi – Anna Marina

0
280

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.

Este jornal publicou, na semana passada, uma grande homenagem que os cirurgies plsticos prestaram a Fbio Corra Rabello, dando seu nome sede da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plstica. Fiquei muito feliz com a homenagem. Fbio faz parte de minha vida e de minha famlia, porque foi casado com minha prima-irm Branca Luiza Teixeira Tamm, filha de minha tia Yay (Maria do Carmo) Teixeira da Costa e de Henrique Tamm. Eu e ela somos quase da mesma idade, mas como eu era mais nova, fui usada durante o tempo todo que ela e Fbio namoraram no famoso papel de “pau de cabeleira”. Todas as vezes que os namorados saam para o cinema ou para um passeio afastado da famlia – como fazer um simples lanche em uma confeitaria, l ia eu, para a dupla no estar sozinha.

Nos dias de hoje, onde o costume adotado at nas mais tradicionais famlias namorados dormirem juntos, na casa da famlia dela ou na dele, esse costume parece ridculo. No tempo do “pau de cabeleira” a companhia era para evitar falatrio. Hoje, o uso para evitar riscos na agitao da violenta vida moderna. Mesmo a mais empedernida tradio familiar tem aceito a novidade numa boa. Criticar quem h de?

Alm desse tipo de acompanhamento, eu tive com minha prima uma amizade bem grande, uma das nossas manias era subir os morros da cidade para fazer lanches l no alto. A subida levava horas, mas o passeio era mais do que agradvel. Algumas vezes, um ou outro morador nos oferecia um cafezinho ou um copo de gua, que eram muito bem-vindos. Quando Fbio e Branca se casaram, moraram uns tempos aqui, depois ele foi para Braslia, convidado pelo presidente JK para criar um hospital, que mais tarde se transformou no Sarah Kubitschek.  Administrava e operava, era um craque no setor, afinal de contas, passar por uma cirurgia plstica renovadora era uma grande novidade – e assumida principalmente por quem tinha grana para enfrentar os custos. A famlia foi sendo formada, e a filha mais velha, Marina, resolveu seguir a carreira do pai e tornou-se tambm cirurgi plstica. At se casar com o embaixador Marcelo Jardim e rodar o mundo com o marido. Um dos lugares que mais a encantaram foi a China, onde teve contato direto com Madame Chiang Kai-Shek, que quis saber dela algumas aes da medicina feminina no pas.

O tempo passou, o marido serviu em vrios pases, onde Marina aproveitava para fazer cursos com nomes conhecidos da rea, at que voltaram para o Brasil e ela, atualmente, atua em hospital brasiliense. E segue de perto os passos do pai, que pouca gente ficou sabendo, na homenagem que lhe foi prestada aqui, que era filho de um famoso cirurgio mineiro, David Corra Rabello. O dr. David foi responsvel pela primeira cirurgia de mudana de sexo feita neste pas, que provocou uma verdadeira revoluo na poca: operou uma moa de 19 anos, transformando-a em um saudvel rapaz. Essa modificao, realizada l pelos anos 20, foi uma novidade e tanto. Comentrios que sobreviveram ao feito relatam que o rapaz passou a viver normalmente, sem nenhuma restrio e preconceito contra a transformao. 



Fonte